Domingo, 26 de Março, 2017
   
Tamanho
Banner

Procure no site:

“Os saráuis não aceitam mais promessas vazias”, diz diretor do novo documentário sobre o Saara Ocidental

A Nomos Editora e Produtora Independente lança em breve um urgente documentário sobre a luta do povo saráui, “Um Fio de Esperança: Independência ou Guerra no Saara Ocidental”. Os diretores Rodrigo Duque Estrada e Renatho Costa divulgam a campanha de financiamento coletivo e o trailer da história que contam aos brasileiros após a visita ao Saara Ocidental, uma história de luta anti-colonial e brava resistência. Estrada conta ao Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) o que o fez tomar a iniciativa para um importante libelo. 

Os diretores estiveram no território liberado pela Frente Popular de Libertação de Saguia el-Hamra e Rio de Ouro (Polisario) -- a representante do povo saráui -- e nos campos de refugiados, no sul da Argélia, em dezembro de 2016. Em seguida, foram ao território ocupado pelo Marrocos desde 1975 e entrevistaram ativistas saráuis e internacionais e outros especialistas no assunto no Brasil, na Suécia e na Espanha.

Contar a história e denunciar a pendência colonial do Saara Ocidental é um apelo reiterado pelos saráuis a toda oportunidade, já que lutam não só contra a ocupação marroquina de dois terços do seu território, contra o muro físico, as milhões de minas terretres e o espólio dos seus recursos vendidos pelo Marrocos à Europa e outros países, como o Brasil, mas também contra o monstruoso "muro do silêncio".

Por isso a importância do documentário, uma verdadeira batalha pela narrativa e pela atenção a esta que é uma causa desconhecida para demasiada gente.

Campanha de financiamento coletivo

Para a produção do filme, os diretores lançaram uma campanha de financiamento coletivo em que, "além de apoiar culturalmente, quem colabora com o projeto ganha recompensas que vão desde cartões postais do Saara Ocidental, pôsteres do filme, livro sobre o tema, DVDs, entre outros."

Acesse o site da campanha de financimento coletivo para a produção e o site oficial do projetoClique também na imagem para assistir o trailer:

um fio de esperanca

Leia o depoimento de Estrada:

Depois de anos pesquisando o conflito, senti a necessidade de sair dos livros e conhecer de perto a realidade de luta e resistência do povo saráui. Com uma riquíssima história de combate ao imperialismo e à exploração capitalista negligenciada pelo mundo inteiro, os saráuis foram sistematicamente traídos pela comunidade internacional. O clima de tensão e frustração com relação ao processo de paz e à ocupação militar do Marrocos está chegando a um limite.

Os saráuis não aceitam mais discursos de esperança e promessas vazias: querem saber quando será realizado o referendo de autodeterminação previsto há 26 anos pela ONU, quando a Frente Polisario pôs as armas de lado e acreditou na possibilidade de uma resistência pacífica. Com gerações de jovens crescendo nos acampamentos de refugiados, em uma das regiões mais inóspitas e mais contaminadas por minas terrestres no mundo, além de separados de suas famílias pelo Muro da Vergonha construído pelo Marrocos, o cenário de uma nova guerra no norte da África se desenha rapidamente.

Apesar de toda a dificuldade e luta constante pela sobrevivência no deserto, os saráuis foram capazes de construir um Estado em exílio, hoje reconhecido diplomaticamente por mais de 80 países e um membro pleno da União Africana. Uma das experiências mais marcantes em nossa viagem, e que ilustra muito bem a bravura deste povo, foi ter acompanhado o trabalho de uma pequena patrulha antiterrorismo nas zonas liberadas. A região do Magrebe tem se tornado palco de crescente instabilidade política devido a atuação de alguma organizações radicais, como a Al-Qaeda no Magrebe Árabe e de grupos narcotraficantes, que saem do Marrocos em direção ao Mali. Imagine, sob essas condições, um povo muçulmano, nômade e refugiado, sem recursos materiais, esquecido pelo mundo, lutando contra o terrorismo! Isso é revolucionário!

Produção independente

O documentário aborda a história da resistência do povo saráui e também investiga as razões por traz da aparente postura de neutralidade do Brasil com relação ao conflito. Além de ser um dos poucos países na América Latina que ainda não reconhecem a independência do Saara Ocidental (ao lado de apenas Argentina e Chile), o Brasil importa recursos ilegais do território não-autônomos (principalmente fosfato e pesca).

O documentário é uma produção completamente independente. A primeira etapa foi financiada pelos próprios diretores. Agora, para concluir a segunda etapa do projeto, que envolve pós-produção, estamos contando com crowdfunding (financiamento coletivo) e apostando em uma divulgação alternativa, de modo a aproximar o processo de produção do filme da população.

Um detalhe legal é que, além de apoiar culturalmente, quem colabora com o projeto ganha recompensas que vão desde cartões postais do Saara Ocidental, pôsteres do filme, livro sobre o tema, DVDs, entre outros.

Leia também:

Contra o muro do silêncio: Saráuis resistem à ocupação e à negligência

No aniversário da República Saráui, presidente apela à ONU contra ocupação marroquina


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Banner
Banner

Receba nossos boletins

3ª Assembleia

cartaz-site

Login Form