Ícone do site CEBRAPAZ

Conselho Mundial da Paz realiza a sua 22ª Assembleia em Hanói; leia os documentos

Completando 73 anos, o Conselho Mundial da Paz realizou a sua 22ª Assembleia em Hanói, no Vietnã, entre 21 e 26 de novembro. Sob o mote “Fortalecemos a Luta Anti-imperialista e a Solidariedade por um Mundo de Paz e Justiça Social”, a Assembleia contou com a participação de mais de 100 representantes de 57 movimentos anti-imperialistas do mundo inteiro. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ) participou com a sua delegação, composta pela até então Presidenta do CMP Socorro Gomes, o vice-presidente do CEBRAPAZ Wevergton Brito e a diretora executiva Moara Crivelente.

A Assembleia decorreu fora do calendário devido à pandemia de Covid-19, seis anos após a realização da 21ª em São Luís (MA), no Brasil, quando o CEBRAPAZ foi o anfitrião. Naquela ocasião, Socorro Gomes foi reeleita para um terceiro mandato. Completou, assim, 14 anos à frente da entidade internacional, que representou com grande empenho e compromisso, recebendo efusivas homenagens pelo cumprimento deste papel em Hanói. O Comitê Executivo elegeu então como o novo Presidente do CMP o indiano Pallab Sengupta, presidente da Organização Toda-Índia de Paz e Solidariedade (AIPSO). Na mesma ocasião, o CEBRAPAZ foi reeleito para permanecer tanto no Comitê Executivo quanto no Secretariado do CMP.

Como destaca o relato da entidade, a Assembleia aconteceu em um país icônico cujo povo lutou e derrotou adversários poderosos como o império japonês como invasor, os colonialistas franceses que ocuparam a Indochina e os imperialistas estadunidenses que massacraram o seu povo, fazendo mais de três milhões de vítimas, com consequências duradouras. Os delegados prestaram homenagem ao histórico líder revolucionário Ho Chi Minh no seu Mausoléu e visitaram as instalações onde viveu e trabalhou. Foi realizada também uma sessão informativa sobre o Vietnã com a Presidenta da União de Organizações de Amizade do Vietnã (VUFO), Embaixadora Nguyen Phuong Nga. No fim da programação, foi realizada a Conferência da Paz de Hanói, em 25 de novembro. As falas de Socorro Gomes e Wevergton Brito também podem ser consultadas no final desta matéria.

Na abertura da Assembleia, o principal convidado especial foi Tran Thanh Man, vice-presidente permanente da Assembleia Nacional (Parlamento) do Vietnã e membro do Comitê Central do Partido Comunista do Vietnã, que deu as boas-vindas calorosas a todos os delegados ao Vietnã e à Assembleia. Por decisão do Presidente da República Socialista do Vietnã, Nguyễn Xuân Phúc, a Ordem Suprema da Amizade foi atribuída ao Conselho Mundial da Paz e separadamente a Socorro Gomes, Thanassis Pafilis e Iraklis Tsavdaridis, pelo seu contributo para a luta antiguerra, anti-imperialista e pela paz. A ordem foi concedida por Tran Thanh Man em uma cerimônia fraterna.

Durante o rico e diversificado programa da 22ª Assembleia do CMP, os delegados foram recebidos pelo Presidente da República Socialista do Vietnã, Nguyễn Xuân Phúc, pelas autoridades locais de Hanói, pelo Presidente do Comitê Central da Frente da Pátria do Vietnã Do Van Chien e por membros do Comitê de Paz do Vietnã e da VUFO. Os delegados tiveram também a oportunidade de visitar a província de Quang Ninh, onde se situa um dos locais mais emblemáticos, a Baía de Halong.

A sessão da Assembleia começou no dia 22 de novembro com o discurso de boas-vindas do Comitê de Paz do Vietnã pelo seu Presidente Uong Chu Luu, ex-vice-presidente da Assembleia Nacional do Vietnã, seguido do discurso da Presidente cessante do CMP, Socorro Gomes, do relatório do Secretário-Geral Thanassis Pafilis e dos relatórios dos cinco Coordenadores Regionais: Aqel Taqaz, da Palestina, pelo Oriente Médio; Fernando González, de Cuba, pela América e Caribe; Ilda Figueiredo, de Portugal, pela Europa; e ausentes mas representados por outros delegados, foram lidos os relatórios enviados por Rabindra Adhikari, do Nepal, pela Ásia, e de Chris Matlhako, da África do Sul, pela África.

Em seu discurso, Socorro Gomes sublinhou: “É uma grande honra regressar a este país, onde o seu heroico povo mantém um profícuo trabalho em busca da prosperidade económica e do desenvolvimento social, da consolidação da sua independência, abrindo novas páginas de progresso, desempenhando um papel soberano no mundo. Reiteramos nossa total solidariedade com seus esforços construtivos e, mais uma vez, condenamos aqueles que provocaram a guerra colonialista que deixou trágicas e indeléveis consequências.” Socorro Gomes concluiu a sua intervenção afirmando: “o Conselho Mundial da Paz é chamado a desempenhar um papel aglutinador, organizador e mobilizador para enfrentar as forças militaristas causadoras de guerras, intervenções e golpes, e avançar, em a luta pela paz e pela emancipação dos povos. Esta luta exigirá de nós cada vez mais clareza de propósito, espírito de unidade, iniciativa e militância, para abrir um caminho claro nesta encruzilhada histórica em que a humanidade se encontra”. Leia o seu discurso na íntegra:

Durante a apresentação do seu Relatório, o Secretário-Geral Thanassis Pafilis observou: “Nos anos que passaram desde a 21ª Assembleia do CMP em São Luís, o CMP desenvolveu uma ação multifacetada em condições de tensão da agressão imperialista”, destacando as ricas ações do CMP contra os planos imperialistas dos EUA – OTAN – UE, as ações de solidariedade para o povo da Palestina, Saara Ocidental, Cuba, Venezuela, e os povos do Afeganistão, Iraque, Síria e Líbia que foram vítimas das guerras imperialistas de longa data de intervenções dos EUA, OTAN, UE e seus aliados. Referindo-se aos desenvolvimentos recentes, depois de condenar a guerra imperialista na Ucrânia, Pafilis observou: “A recente Cúpula da OTAN em Madri, em junho de 2022, revisou, renovou e acelerou uma série de decisões de anos anteriores. Esta máquina de guerra está aumentando ainda mais sua agressão através do Estratégia OTAN 2030 e o Novo Conceito Estratégico”. O Secretário-Geral também destacou que “apesar da correlação negativa de forças e da militarização das relações internacionais, estamos otimistas de que o movimento anti-imperialista pela paz está ganhando força e nossa Assembleia é a prova de que estamos erguendo bem alto a bandeira da luta anti-imperialista e solidariedade.”

O vice-presidente do CEBRAPAZ Wevergton Brito também interveio, afirmando que “Para estar à altura dos desafios que enfrentará, o CMP deve afirmar o caráter amplo da luta pela paz, que tem um enorme potencial de reunir em torno de si pessoas com visões ideológicas distintas, porém unidas em defesa da soberania nacional e do anti-imperialismo. Tenho certeza de que não existem ilusões entre nós: só com a derrota do imperialismo será possível iniciar a caminhada rumo a um mundo livre das guerras e da ameaça nuclear, e para que isso ocorra, é necessário que a bandeira da paz seja empunhada por milhões de pessoas em todo o planeta.” Leia a sua fala a seguir:

Na sessão, foram apresentados ainda os relatórios organizacionais e financeiros e houve um rico debate do qual participaram mais de 50 delegados e convidados. Em seguida, a 22ª Assembleia do CMP elegeu seu novo Comitê Executivo (CE) composto por 40 organizações. Na sua primeira reunião, o novo CE elegeu um Secretariado de 13 membros e nomeou cinco Vice-Presidentes das respectivas regiões. Consulte as listas dessas composições:

Durante a reunião do Comitê Executivo, cinco cinco novas organizações foram afiliadas ao Conselho Mundial da Paz:
– Conselho da Tunísia para a Paz e Solidariedade
– Comitê de Paz e Solidariedade do Kuwait
– Rede de Luta pela Paz e Solidariedade Internacional, SOLI Porto Rico
– Conselho de Paz do Saara Ocidental
– Solidarwerkstatt Áustria

Num empenho coletivo de análise e debate, a Assembleia do CMP discutiu e aprovou por unanimidade uma declaração política, adotando diversas emendas propostas por delegados de organizações membro e de organizações amigas. O CEBRAPAZ participou neste empenho tanto na plenária quanto integrando a comissão de redação. Leia o documento final, a seguir:

Por fim, concluindo a programação, como de costume, foi realizada a Conferência da Paz de Hanói, onde os diversos delegados e convidados puderam dar o seu contributo à análise e formulação da luta anti-imperialista. Os discursos de saudação de cinco Organizações e estruturas internacionais foram transmitidos por seus representantes como Rafael Cardino, membro do Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial (FSM), Aritz Rodriguez, Presidente da Federação Mundial da Juventude Democrática (FMJD), Annie Raja, vice-presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM), Jun Sasamoto, membro da Associação Internacional de Advogados Democráticos (IADL) e Corazon Valdez do Fórum dos Povos da Ásia-Europa (AEPF). Leia a seguir as contribuições de Socorro Gomes e Wevergton Brito na Conferência.

Sair da versão mobile