Cebrapaz condena ação terrorista de Israel contra frota humanitária

O Cebrapaz (Centro Brasileiro de Solidariedade e aos Povos e Luta pela Paz) divulgou uma nota nesta segunda-feira (24), na qual condena relatório apresentado pelo governo de Israel, cujo conteúdo inocenta os militares envolvidos no ataque sofrido por ativistas na Faixa de Gaza, em maio do ano passado.

Na ocasião, o ataque vitimou nove ativistas turcos. Segundo as conclusões publicadas neste domingo (23) pela Marinha israelense, as forças de seu país agiram dentro das "regras da legislação internacional". A conclusão do inquérito resultou em uma condenação pública do governo da Turquia. "Esse relatório foi preparado sob ordens diretas. Como pode ter qualquer valor ou credibilidade um inquérito feito pelo próprio país acusado?", disse o premiê Recep Tayyip Erdogan. 

Leia abaixo a nota divulgada pelo Cebrapaz:

Nota de repúdio ao governo israelense

O Cebrapaz vem a público para manifestar seu completo repúdio ao mais recente ato de desfaçatez do governo sionista de Israel, que concluiu, por meio de um relatório dirigido, que o ataque de sua Marinha a um barco de ativistas turcos na Faixa de Gaza, em maio do ano passado, foi realizado “dentro das regras da legislação internacional”.

Mais ainda: o governo israelense usou como argumento para corroborar o ataque o fato de que os ativistas estavam determinados a atacar seus soldados. Como de costume, os sionistas procuram subterfúgios para justificar o belicismo que faz parte de sua política de Estado.

À época do ataque, há pouco mais de oito meses, Israel já foi alvo da mais ampla condenação internacional. Agora, diante da postura intolerante de seu governo, é necessário que todos aqueles que lutam pela paz mundial e condenam o militarismo se manifestem.

Enquanto permanecer a política de guerra implantada por Israel, em conluio aos interesses imperialistas dos Estados Unidos, a paz será uma quimera para os povos do Oriente Médio. É preciso que governos, organizações e líderes de todo o mundo se unam em torno dessa causa.

Socorro Gomes
Presidente do Cebrapaz e do Conselho Mundial da Paz
São Paulo, 24 de janeiro de 2011.

Deixe uma resposta