Movimentos sociais organizam ações de repúdio à presença de Obama no Brasil

Entidades do movimento social brasileiro representadas na Coordenação de Movimentos Sociais (CMS), entre elas Cebrapaz, CUT, MST, UNE, Ubes, CTB, Conam, Unegro e sindicatos estaduais e municipais de várias capitais, estão organizando ações de repúdio contra o chefe do imperialismo estadunidense, Barack Obama.

As entidades criticam a política de duas caras do mandatário dos Estados Unidos, que utiliza uma retórica demagógica de defesa da paz e dos direitos humanos, mas na prática realiza uma política militarista e de intervenção contra países e povos soberanos.

Os protestos mostram que a manifestação organizada pelo governo estadual do Rio de Janeiro, com a colaboração da embaixada dos EUA no Brasil, na Cinelândia, não reflete os sentimentos do povo brasileiro.

Leia a íntegra do documento que circula entre as entidades do movimento social e foi submetido a aprovação em plenária realizada nesta quarta-feira (16):

Obama é persona non grata no Brasil

Os movimentos sociais brasileiros consideram o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, persona non grata no Brasil e rechaçam a sua presença em nosso país.

Obama chegou à presidência dos Estados Unidos em 2008 opondo-se em tese à política de guerra de George W. Bush e fazendo promessas de paz e respeito ao direito internacional.

A evolução dos acontecimentos mostrou que a política externa do imperialismo norte-americano  continua em essência a mesma.

O atual mandatário dos Estados Unidos mantém a orientação belicista de ocupar países e agredir povos em nome da “luta contra o terrorismo”. Seu objetivo principal é reafirmar a hegemonia estadunidense no mundo, inclusive na área militar.

Sob Barack Obama, os Estados Unidos mantiveram a presença das tropas de ocupação no Iraque e no Afeganistão. O imperialismo estadunidense, sob a presidência de Barack Obama reafirmou o apoio à política genocida do Estado sionista israelense contra o povo palestino.

Foi sob a liderança de Barack Obama que a principal organização agressiva do imperialismo, a Otan – Organização do Tratado do Atlântico Norte  consagrou o “novo conceito estratégico”, arrogando-se o direito de intervir militarmente em qualquer região do planeta. É também Obama que estimula a instalação de bases militares em todo o mundo.

É a gestão de Barack Obama que, reafirmando a primazia norte-americana quanto à posse e uso de armas nucleares, exerce chantagens, pressões, ameaças e sanções contra os  países que não aceitam os ditames dos EUA nesta questão.

Como latino-americanos, afirmamos que Obama é persona non grata no Brasil porque  a política dos Estados Unidos para a América Latina não mudou em nada.  Não aceitamos amanutenção do bloqueio a Cuba, as provocações contra a Venezuela, a Nicarágua, a Bolívia e o Equador.

O governo Obama apoiou o golpe militar em Honduras, que retirou do poder o presidente legitimo Manuel Zelaya, e mantém o apoio ao atual governo de fato, que é denunciado por inúmeras violações aos direitos humanos. Na sequência do golpe, os EUA instalaram duas novas bases militares neste país. 

Repudiamos a ampliação da presença militar dos EUA na região, tanto as iniciativas para instalar novas bases militares na Colômbia, quanto a movimentação de tropas naCosta Rica e no Panamá.

Os Estados Unidos, no apagar das luzes do governo de Bush, reativaram  a 4ª Frota de sua marinha de guerra, que Obama mantém.  A presença dessa frota agressiva constitui uma ameaça a todos os países soberanos da região. No caso do Brasil, é uma clara ameaça em relação às imensas jazidas petrolíferas descobertas em nossa costa.

Os Estados Unidos nunca abriram mão do objetivo de dominar nossos países e continuam considerando nosso continente como sua área de influência. Sua cobiça sobre nossas riquezas é ilimitada.

Obama chega ao Brasil num momento em que os Estados Unidos e seus aliados, principalmente os europeus, preparam-se para realizar  novas intervenções militares. Agora, no norte da África, onde, com vistas a assegurar o domínio sobre o petróleo, adotam a opção militar como a principal estratégia. O imperialismo estadunidense quer arrastar as Nações Unidas para sua aventura.

Hoje, 20 de março,  dia em que Obama visita o Brasil, acontecem manifestações em todo o mundo convocadas pela Assembleia Mundial dos Movimentos Sociais realizada durante o Fórum Social Mundial de Dacar, Senegal. O dia de mobilização global foi convocado para afirmar a “defesa da democracia, o apoio e a solidariedade ativa aos povos da Tunísia e do Egito e do mundo árabe”. O 20 de março é um Dia Mundial de Luta contra as bases militares dos Estados Unidos, de solidariedade com o povo árabe e do norte da África e também de apoio à resistência palestina e saharauí.

O Brasil e a América Latina vivem um novo momento, de democracia, soberania, interação e unidade e estão criando seus próprios mecanismos multilaterais. Não aceitam mais viver sob o jugo e a ingerência do imperialismo norte-americano.

Queremos um mundo de paz e solidariedade!

Abaixo o imperialismo estadunidense!    

O imperialismo não é invencível e será derrotado!

Deixe uma resposta