Convenção de solidariedade a Cuba condena mídia golpista

Um concorrido debate teve lugar na tarde desta sexta-feira (25) sobre a campanha midiática internacional contra Cuba, durante a 20a. Convenção Nacional de Solidariedade, em Salvador –Bahia.

O jornalista José Reinaldo Carvalho, editor do Portal Vermelho, disse que a mídia ligada ao imperialismo e aos grandes grupos monopolistas sempre coadjuvou as agressões e o bloqueio contra Cuba. Ele recordou a criação da Rádio Martí em 1985 e da TV Martí, em 1990 como exemplo de instrumentos que o governo dos Estados Unidos criou para difamar a revolução, fazer propaganda contrarrevolucionária, distorcer e mentir.

Destacou que os meios de comunicação transmitem uma visão deformada sobre Cuba, como se ali reinasse o caos. Denunciou que a mídia transforma delinqüentes em heróis, financiando e concedendo prêmios internacionais a blogueiros, falsos jornalistas e organizações subversivas.

O editor do Vermelho disse ainda que o imperialismo estadunidense estendeu o bloqueio a Cuba à área da Internet, dificultando o acesso do país à banda larga.

Concluiu afirmando que é urgente contrapor-se à ofensiva midiática, ao terrorismo midiático, conclamando os presentes a compartilharem as resoluções da Brigada Mundial contra o Terrorismo Midiático realizada em novembro do ano passado em Cuba.

O jornalista Beto Almeida, diretor da Telesul no Brasil, denunciou que a mídia silencia sobre os êxitos da revolução cubana nas áreas de educação e saúde e sobre as ações de solidariedade que a Ilha desenvolve em diversos países. Ele lembrou o papel solidário de Cuba no Haiti. Sobre o papel da Telesul, disse que a emissora faz o jornalismo da integração e fez um apelo à 20ª. Convenção de Solidariedade a se somar aos esforços para que o governo brasileiro faça valer o convênio para assegurar a transmissão da programação da Telesul no Brasil.

Rosane Bertoti, coordenadora da Frente Nacional pela Democratização da Comunicação e diretora de imprensa da Central Única dos Trabalhadores (CUT), reafirmou o engajamento das duas entidades no movimento de solidariedade a Cuba e na luta contra o cerco midiático exercido contra o país.

O historiador Muniz Ferreira fez uma análise sobre a atual ordem informativa mundial, ressaltando como traços principais a monopolização, o entrelaçamento desses monopólios com os demais monopólios capitalistas, o conservadorismo, a constituição do pensamento único, o revisionismo histórico, o caráter desinformador da mídia e a cooptação de jornalistas.
Zuleide Faria de Mello, presidente da Associação Cultural José Martí do Rio de Janeiro, recorreu ao pensamento marxista para ressaltar como a mídia toma o lado dos poderosos e está engajada no projeto de destruir Cuba.

A sessão foi encerrada com a intervenção do conselheiro político da Embaixada de Cuba no Brasil, Rafael Hidalgo, que discorreu sobre o momento atual, que considerou como fundamental para o processo revolucionário cubano. Ele ressaltou que Cuba faz um esforço sereno, firme, com clareza, para consolidar um processo revolucionário, socialista que mostra que o socialismo pode ser eficaz e insuperavelmente democrático.

Hidalgo disse que desde 1959 a estratégia dos Estados Unidos é inalterada: destruir a revolução cubana, e que hoje o imperialismo norte-americano encontra-se empenhado em impedir que em Cuba se consolide uma alternativa de desenvolvimento socialista.

Da Redação do Vermelho, de Salvador Bahia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s