Cebrapaz critica ação dos EUA e Israel no Oriente Médio

A defesa dos princípios da ONU (Organização das Nações Unidas), de autodeterminação e soberania dos povos, e a crítica aos Estados Unidos e a Israel, apontados como responsáveis pelos conflitos no Oriente Médio foi a tônica da fala da presidenta do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), Socorro Gomes, no debate sobre Os Meios de Comunicação em Zonas de Conflito e a luta pela paz, realizado pela Comissão de Relações Exteriores da Câmara nesta quarta-feira (17).

Agência Câmara

Socorro Gomes também criticou a mídia que, segundo ela, pratica uma política de demonização dos países que se insurgem contra os Estados Unidos e Israel. “A mídia joga um papel sórdido contra as liberdades, contra a verdade, contra a Justiça”, disse.

Ela avalia que “são grandes os impedimentos para a paz e podemos e devemos travar a luta pela paz e o Brasil e outros povos tem papel a jogar, mas é preciso respeitar a Carta das Nações, os princípios da ONU, senão é a barbárie”. E insistiu em dizer que o primeiro passo para se percorrer o caminho para a paz é respeitar os princípios da ONU.

Na avaliação de Socorro Gomes, os povos tem o direito e o dever de travar a luta pela paz e para isso tem que saber o que provoca a guerra. No Oriente Médio, segundo ela, os causados dos conflitos são os Estados Unidos e seu aliado – o Estado de Israel, a quem acusou de sionismo, que usa a religião para espoliar a terra que deveria ser usada na formação do Estado da Palestina.

Segundo ela, a solução para a paz é a retirada das tropas dos países ocupados e que o diálogo substitua a força bruta das armas. Ela defendeu ainda uma campanha pela eliminação de todas as armas nucleares a começar pelas grandes potências, que são as mais armadas e mais ameaçadoras.

Ela explica que os dois países – Estados Unidos e Israel – querem governos submissos à vontade deles e aqueles que se insurgem contra eles são combatidos. Para isso, usam pretextos como a democracia, direitos humanos, meio ambiente etc, para invadir os países e não cumprem as resoluções da ONU.

A situação do Iraque e do Irã foi citada como exemplos dessa prática dos Estados Unidos. O Iraque foi acusado de possuir aramas de destruição de massa para que os Estados Unidos invadisse o país e derrubasse o governo e o mesmo ocorre no Irã, que é acusado de possuir armas nucleares.

Para Socorro Gomes, essa atitude do governo estadunidense demonstra uma “esquizofrenia” porque os Estados Unidos e Israel possuem armas nucleares e os Estados Unidos já usou as armas nucleares. Para ela, essa atitude conta com o apoio da mídia, que repercute o pensamento desses países sem questionar as causas verdadeiras dos conflitos.

Na Síria – tema do debate, os Estados Unidos dizem que o chefe de estado deve parar de usar armas, mas financia mercenários para manter o estado de guerra no país, acusa Socorro Gomes. “Todos tem que parar de usar as ramas”, destaca ela, insistindo que o objetivo dos Estados Unidos na Síria é derrubar o governo de Bashar Al Assad e instalar um governante submisso a eles.

Socorro Gomes disse ainda que a defesa da autodeterminação dos povos não impede os atos de solidariedade, que é um valor evoluído do mundo, que deve ser cultivar, mas que nenhum estado pode interferir em outro país e para isso existe a ONU.

Outros debates

O segundo debate no seminário realizado pela Comissão de Relações Exteriores da Câmara para discutir “O Brasil no mundo: deveres e responsabilidades no Oriente Médio” reuniu ainda o jornalista Samy Adghirni, correspondente do jornal Folha de São Paulo em Teerã, capital do Irã, e jornalista Marcelo Rech, especialista em defesa e editor do site InfoRel.

Os jornalistas falaram sobre suas experiências de coberturas jornalísticas na região. A fala de Marcelo Rech, de que que “a democracia israelense dá um baile na brasileira, em relação ao trabalho jornalístico”, foi contestada por Socorro Gomes.

Em resposta a Rech, a presidenta do Cebrapaz disse que “não pode ser chamado de democrata um estado que subtraiu o território de um povo com terror, com assassinatos em massa”, declarou, lembrando que Israel tenta impedir a criação do Estado da Palestina como está determinada pela ONU.

A presidente da comissão, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), autora do requerimento para a realização do seminário, disse que o colegiado deverá realizar outros eventos semelhantes. “A ideia é colocar, semanalmente, outros temas na comissão. Um deles é a posição do Brasil com a responsabilidade de proteger (povos em situação de conflito)”.

Segundo Perpétua, essa defesa deve ser feita com cuidado, pois há casos em que “países sofrem intervenções internacionais com a desculpa de proteger civis e acabam matando muito mais civis do que os que precisam de proteção”.

De Brasília
Márcia Xavier

Deixe uma resposta