Em solidariedade às vítimas do Agente Laranja no Vietnã, Conselho Mundial da Paz demanda responsabilização dos EUA

No aniversário de 56 anos do início da guerra dos EUA contra o Vietnã, nesta quinta-feira (10), o Secretariado do Conselho Mundial da Paz (CMP) voltou a declarar seu apoio à persistente luta do povo vietnamita por reparação pelo uso da arma química conhecida como “Agente Laranja” pelas forças estadunidenses. O uso do agente, para desfolhar a floresta durante a guerra finda na década de 1970 trouxe consequências fatais, ambientais e de saúde que duram até hoje. Leia o texto a seguir, em solidariedade às vítimas do Agente Laranja.

Declaração do Conselho Mundial da Paz sobre o Dia Internacional das Vítimas do Agente Laranja, 10 de agosto

O CMP está enfatizando, nos 56 anos desde o início da guerra imperialista suja dos EUA contra o povo vietnamita, a necessidade de uma compensação abrangente e global das vítimas do tóxico “Agente Laranja”, sua assistência e apoio geral. Os governos dos EUA, todos esses anos, nunca reconheceram sua pesada responsabilidade em relação a um povo e a um país que lutou com dignidade pela liberdade e o direito de determinar sozinho seu destino.

Quanto às bombas e munições apenas, os EUA despejaram sobre o Vietnã cerca de 14 milhões de toneladas de bombas de todo tipo (e outras três milhões de toneladas no Laos). Isso é duas vezes maior que peso de todas as bombas e munições usadas na Segunda Guerra Mundial e o equivalente à potência total de duzentas das bombas atômicas despejadas sobre Hiroshima e Nagasaki.

Agora, 42 anos após a guerra, existem projéteis não explodidos que ainda matam uma média de 1.500 vietnamitas por ano (e 300 pessoas no Laos). A maioria dessas vítimas é de habitantes das montanhas e crianças.

Após 42 anos do fim da guerra dos EUA no Vietnã, as consequências da guerra ainda são visíveis em milhares de crianças nascidas com doenças mentais e defeitos congênitos.

Este capítulo vergonhoso, o uso da dioxina química, pelos EUA, continua a envenenar o Vietnã e as pessoas expostas aos produtos químicos. A marca mortal deixada pelo Agente Laranja no ambiente natural do Vietnã inclui a destruição das florestas de manguezais e o envenenamento a longo prazo do solo, especialmente nos conhecidos “pontos quentes”, perto das antigas bases militares dos EUA.

O CMP expressa sua solidariedade ao povo vietnamita e, em particular, com a Associação de Vítimas do Agente Laranja (VAVA), e exige o reconhecimento da responsabilidade do governo dos EUA e os passos e medidas necessárias para apoiar as vítimas e suas famílias.

Convocamos nossos membros e amigos pelo mundo a não desistir de lidar com o tema e lutar pela justa questão do povo vietnamita, que lutou heroicamente e derrotou a agressão imperialista dos EUA em 1975.

Secretariado do CMP
10 de agosto de 2017