Conselho Mundial da Paz divulga plano de ação e reforço da luta anti-imperialista e da solidariedade

O Comitê Executivo do Conselho Mundial da Paz (CMP), reunido em Hanói, Vietnã, em novembro de 2017, discutiu as prioridades da ação da organização para 2018. Após a discussão com o Secretariado do CMP, o plano de ação para o ano é divulgado nesta segnuda-feira (8), com ênfase para o reforço e a promoção de campanhas e atividades da luta anti-imperialista e da solidariedade com povos vítimas de agressão, da ocupação militar e do colonialismo.

No documento, o CMP faz referência à continuidade de campanhas contra as armas nucleares e pela dissolução da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), notando a reprodução da exitosa ação levada a cabo na capital belga, Bruxelas, em 2017, em que o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) participou. (Assista a imagens do protesto em que o CMP participou)

O plano também contém propostas para o reforço das ações de solidariedade com os povos venezuelano, cubano, palestino, saaráui, sírio e iemenita, vítimas de agressões, guerras, colonialismo e ingerência.

O chamado à participação e o respaldo ativo a conferências sobre a América Latina e o Caribe como zona de paz ou em apoio às vítimas dos ataques estadunidenses contra o Vietnã, com armas químicas, e Hiroshima e Nagasaki, com armas nucleares, também compõe as prioridades para este ano.

Leia o documento a seguir e, abaixo, a reprodução da Declaração do Comitê Executivo do CMP emitida em sua reunião em Hanói, em novembro de 2017.