Coalizão estadunidense contra bases militares divulga resoluções por ação global

A Coalizão contra Bases Militares dos EUA no Exterior, composta por mais de 200 organizações estadunidenses de paz, justiça social e de proteção ao ambiente, apoiada por diversas entidades internacionais (como o Conselho Mundial da Paz), acaba de divulgar as resoluções aprovadas na sua primeira e exitosa conferência, entre 12 e 14 de janeiro. Nas resoluções, a coalizão busca promover iniciativas como ações coordenadas e uma conferência internacional sobre as bases dos EUA e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), assim como um Dia Global de Ação pelo encerramento da base militar estadunidense em Guantánamo, fortalecendo as campanhas já em desenvolvimento. Leia a tradução dos textos a seguir.

Conferência sobre Bases Militares dos EUA no Exterior
12-14 de janeiro de 2018 | Baltimore, EUA


RESOLUÇÃO SOBRE A REALIZAÇÃO DE UMA CONFERÊNCIA GLOBAL CONTRA BASES MILITARES DOS EUA E DA OTAN

CONSIDERANDO QUE a cada vez mais militarista política externa dos Estados Unidos e seu novo governo, como a potência líder da OTAN, está levando o mundo para a beira de uma guerra global e a catástrofe ambiental; e

CONSIDERANDO haver uma necessidade iminente por uma resposta unificada urgente do movimento global da paz, da justiça e do ambiente para evitar tais resultados desastrosos para toda a humanidade; e

CONSDIRANDO que as organizações fundadoras da Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior acreditam desde o começo que a luta contra as Bases Militares Estrangeiras dos EUA não poderia ser levada a cabo e vencida apenas por organizações de paz e ativistas de dentro dos Estados Unidos; e

CONSIDERANDO ser necessário um movimento global unificado, composto de todas as organizações de paz e justiça e ativistas que são contrários às bases militares estadunidenses e da OTAN para alcançar o objetivo de encerrar todas as bases militares dos EUA e da OTAN em todo o mundo; e

ENQUANTO o sucesso inegável da presente Conferência Nacional demonstrou que, apesar das nossas eventuais diferenças em outras questões, uma unidade ampla de diversas organizações de paz, justiça e ambientais e ativistas contra as bases militares dos EUA e da OTAN pode ser alcançada com base na Declaração de Unidade da Coalizão, que foi endossada por mais de 200 organizações de paz, justiça e do ambiente de todo o mundo;

POR ISSO, RESOLVE-SE que a Coalizão Contra as Bases Militares dos EUA no Exterior insta todas as forças da paz, justiça social e ambiental a juntarem-se a nós em uma Coalizão Global para realizar uma Conferência Global Contra as Bases Militares dos EUA e da OTAN dentro de um ano após esta Conferência Nacional; e

RESOLVE-SE AINDA que a presente Declaração de Unidade da Coalizão será oferecida como a base e o quadro em que a nova Coalizão Global e a Conferência Global propostas serão organizadas; e

RESOLVE-SE TAMBÉM que o Comitê Coordenador da Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior deve imediatamente iniciar o processo de solicitar apoio global para tal Coalizão Global, que deve planejar a Conferência, identificando um país anfitrião para a Conferência, gerando apoio financeiro e tomando um papel ativo, junto aos nossos aliados internacionais, na organização da Conferência Global Contra as Bases Militares dos EUA e da OTAN.


RESOLUÇÃO POR UM DIA NACIONAL DE AÇÃO CONTRA AS GUERRAS DOS EUA NO PAÍS E NO EXTERIOR NA PRIMAVERA DE 2018

CONSIDERANDO QUE os Estados Unidos têm continuado em estado permanente de guerra e têm usado seu poderio militar sem concorrentes em todos os cantos do mundo para subjugar, dominar e explorar nações soberanas para o benefício de suas ricas e poderosas elite e corporações em violação do direito internacional; e

CONSIDERANDO ser amplamente reconhecido que o Pentágono em si, suas mil bases por todo o mundo, suas guerras infinitas, seu enorme uso de combustíveis fósseis, substâncias tóxicas e poluição massiva em torno de suas bases tornou a máquina militar estadunidense o maior consumidor institucional de produtos derivados do petróleo, o pior poluidor mundial de emissão de gases de efeito estufa, e este expressivo rastro de lixo das bases dos EUA está fazendo doentes tanto as pessoas quanto a Terra; e

CONSIDERANDO QUE o orçamento militar e de guerra dos EUA quase se iguala ao do restante do mundo combinado, alcançando USD 700 bilhões apenas no Pentágono, sem contar as armas nucleares, a dita Segurança Nacional, mercenários empregados pelo Departamento de Estado, a dívida de guerras passadas, e muitos outros gastos, somando muito mais de USD 1 trilhão; e

CONSIDERANDO QUE, enquanto os Estados Unidos são os primeiros, de longe, no gasto militar, estão em 7º em alfabetização, 20º em educação, 25º em qualidade de infraestrutura, 37º em qualidade da atenção à saúde, 31º em expectativa de vida e 56º em mortalidade infantil; e

CONSIDERANDO QUE a política externa e o gasto militarista bipartidários enriqueceu os cofres da indústria da guerra, causando cada vez maiores níveis de desigualdade econômica, discriminação racial, étnica e de gênero e opressão, pobreza, fome e falta de moradia; e

CONSIDERANDO que a militarização global e o racismo da política de guerra estadunidense aumentaram enormemente a militarização da polícia, ataques às liberdades civis e o aumento da Supremacia Branca no país; e

CONSIDERANDO que desde 2001 os Estados Unidos têm usado sua força militar para invadir e bombardear inúmeros países – Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria, Iêmen, Somália, Sudão, Paquistão, eventualmente custando aos contribuintes americanos USD 4 trilhões apenas do Afeganistão e no Iraque – e estão agora ameaçando atacar o Irã e a Coreia do Norte; e

CONSIDERANDO que os Estados Unidos mantêm cerca de 1.000 bases militares estrangeiras e dezenas de milhares de tropas em mais de 175 países do mundo, custando mais de USD 150 bilhões por ano; e

CONSIDERANDO que a militarização bipartidária da nossa política externa causou a morte de um número inestimado de civis, terror pelo [uso de] veículos aéreos não tripulados (drones), destruição de infraestrutura e do ambiente, um número massivo de refugiados, criando o caos e o terrorismo ao desestabilizar nações soberanas; e

CONSIDERANDO que, além das centenas de milhares de baixas civis causadas pelas guerras estadunidenses, 6.831 oficiais militares dos EUA morreram em guerras no Iraque e no Afeganistão e cerca de um milhão foi ferido; e

CONSIDERANDO que há mais de 39 mil veteranos militares sem lar; que em qualquer noite, mais de 1,4 milhão está em alto risco de ficar sem lar, dos quais 9 por cento são veteranas femininas, e que 20 veteranos ou oficiais em serviço militar acabam com suas próprias vidas todos os dias; e

CONSIDERANDO que o desenvolvimento e aumento dos armamentos nucleares elevou a ameaça de aniquilação nuclear; e

CONSIDERANDO ser vital que trabalhadores, sindicatos e forças pela paz, justiça social e ambientalistas se unam em um movimento conjunto para promover uma política externa independente dos interesses políticos e econômicos de Wall Street, da América corporativista e do complexo industrial-militar;

POR ISSO, RESOLVA-SE que as organizações parte da Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior, inclusive as presentes da Conferência sobre Bases Militares dos EUA no Exterior realizada em Baltimore, Maryland, instem todas as forças da paz, justiça social e ambientais nos Estados Unidos a somarem-se na organização do Dia Nacional de Ação Anti-Guerra na primavera de 2018 para exigir:

• Fim a todas as guerras, bombardeios e ataques a drone estadunidenses, e outras formas de agressão dos EUA, inclusive sanções econômicas e vendas de armas;
• Encerrar todas as bases estadunidenses em território estrangeiro;
• Trazer todas as tropas estadunidenses para casa;
• Usar os fundos do imenso orçamento militar para necessidades humanas e a proteção do ambiente;
• Desmantelar todas as armas nucleares.

FICA AINDA RESOLVIDO que o Comitê Coordenador da Coalizão contra Bases Militares dos EUA no Exterior e as organizações e ativistas presentes nesta Conferência comprometem-se a colaborar na organização desse Dia Nacional de Unidade de Ação Anti-Guerra e convidamos nossos amigos internacionais a juntarem-se a nós.


RESOLUÇÃO SOBRE UM DIA GLOBAL DE AÇÕES CONTRA [BASE DOS EUA EM] GUANTÁNAMO

CONSIDERANDO que 23 de fevereiro de 2018 é o 115º aniversário da tomada da Baía de Guantánamo, Cuba, pelos Estados Unidos, para criar uma Base Militar estrangeira, um resultado da Guerra Hispano-Americana provocada pelos EUA; e ainda

CONSIDERANDO que os Estados Unidos usaram seu poderio militar para forçar a Convenção Constitucional Cubana a aceitar a tomada em sua Constituição; e ademais

CONSIDERANDO que, bem-sucedida a Revolução Cubana em 1959, Cuba exigiu a renúncia do Tratado, deixando de receber o pagamento anual estadunidense de USD 4.085,00, e reivindicou soberania completa sobre a Baía pelo Governo Cubano; e mais

CONSIDERANDO que os Estados Unidos têm se recusado a devolver a Baía de Guantánamo ao povo cubano, citando a Cláusula do Tratado forçosamente imposto segundo a qual AMBAS as partes devem concordar com o cancelamento do Tratado; e ainda

CONSIDERANDO que a ocupação estadunidense da Baía de Guantánamo oferece às Forças Armadas dos Estados Unidos domínio militar no Caribe e na América do Sul e é uma ameaça à independência e à soberania dos povos naquela vasta área; e também

CONSIDERANDO que, sobre o controle estadunidense, a Baía de Guantánamo tornou-se um centro de tortura e violação de direitos humanos, violação de padrões essenciais estadunidenses e internacionais, que são condenadas pelo mundo civilizado;

ASSIM, FICA RESOLVIDO que a Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior, de forma unânime, apela ao movimento global da paz para que organize, no dia ou próximo a 23 de fevereiro de 2018, ações que instem os Estados Unidos a retirar prontamente todas as suas forças e equipe da Baía de Guantánamo e declarar TODOS os acordos que cedem controle cubano sobre a Baía de Guantánamo aos EUA nulos e inválidos.


EXIGIMOS QUE TODAS AS ACUSAÇÕES CONTRA HIROJI YAMASHIRO, HIROSHI INABA E ATSUHIRO SOEDA SEJAM ANULADAS E QUE AS BASES DOS EUA EM OKINAWA SEJAM ENCERRADAS

Em 14 de janeiro de 2018, a Conferência sobre Bases Militares dos EUA no Exterior realizada em Baltimore, Maryland, EUA, organizada pela Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior – que consiste de mais de 250 organizações da paz, justiça e do ambiente de todo o mundo – escutou os que vieram de Okinawa e de membros dos Veteranos pela Paz, dos Estados Unidos, que recentemente visitaram Okinawa para somar suas vozes ao coro crescente contra a presença das bases militares estadunidenses na ilha.

Estamos cientes do papel terrível que as bases estadunidenses em Okinawa têm tido na destruição do ambiente e dos muitos atos criminosos de membros das tropas dos EUA, inclusive o estupro e assassinato, contra o povo de Okinawa.

Também sabemos do papel central que as bases estadunidenses em Okinawa tiveram durante a guerra criminosa dos EUA contra o povo do Vietnã e do papel atual que têm na presença militar agressiva dos EUA em toda a região.

Com base em tais fatos, a Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior e todos os participantes da Conferência exigem, de forma unânime, que todas as acusações contra Hiroji Yamashiro e os corréus Hiroshi Inaba e Atsuhiro Soeda sejam anuladas e todas as tentativas de silenciar o povo de Okinawa em sua justa busca por livrar o seu lar das muitas bases militares estadunidenses acabem.

A Coalizão compromete-se ainda a apoiar o caso de Hiroji Yamashiro, Hiroshi Inaba e Atsuhiro Soeda e tornar públicos seus casos nos EUA e promover a exigência de que todas as bases militares estadunidenses sejam removidas de Okinawa.

Comitê Coordenador da Coalizão Contra Bases Militares dos EUA no Exterior
15 de janeiro de 2018