Entidades populares realizam ato nacional de solidariedade à Venezuela na Bahia

Enfrentando a escalada da ofensiva golpista e da ingerência externa na Venezuela, as forças democráticas e anti-imperialistas têm realizado ações em todo o mundo de apoio à luta do povo venezuelano, em defesa da sua soberania. Nesta segunda-feira (28), o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), a Associação Cultural José Martí (ACJM) e a Frente Brasil Popular (FBP) realizaram um ato nacional de solidariedade em Salvador.

O objetivo do ato foi manifestar a posição do movimento popular e progressista brasileiro em relação à crise na Venezuela.  “Demonstramos que estamos do lado do povo venezuelano, condenando a ofensiva do imperialismo norte-americano e se solidarizando com o governo de Maduro”, afirmou o presidente do Cebrapaz, Antônio Barreto, ao portal do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) na Bahia.

Barreto defendeu a legitimidade do novo mandato do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que tem sido questionado pela oposição, pois a eleição, segundo ele, cumpriu os ritos democráticos. “Não existe ditadura na Venezuela! O que existe é um poder voltado para a maioria do povo, e não para a elite venezuelana, que sempre usurpou das riquezas do país”.

Elen da Silva, representando a FBP, acrescentou que o ato denunica a ingerência do imperialismo estadunidense na América Latina. “O ato político consegue articular, minimamente, os setores que estão apoiando a Venezuela, com um entendimento do que significa a autonomia dos povos e da movimentação estadunidense em torno dos recursos naturais alocados na América Latina, especialmente o petróleo”, explicou.

No encontro, também estiveram os cônsules de Cuba no Brasil Milena Zaldiva e Rafael Lopez. De acordo com Milena, a posição de Cuba é de que é direito o povo venezuelano defender seus interesses e a sua soberania. “Quem acompanha o atual governo de Maduro sabe do compromisso dele em defender esse direito frente ao mundo”, disse.

Na mesa de discussões também estiveram Aurino Pedreira, da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Gilberto Leal, da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), e Moisés Borges, do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Além do ato em apoio ao governo de Maduro, reeleito em maio de 2018 e reempossado em janeiro de 2019, entidades da paz, sindicais, estudantis e culturais ainda pretendem organizar uma missão de solidariedade à Venezuela.

Fotos: Fernando Udo
Com informações do portal de notícias do PCdoB-BA