Entidades baianas aprovam moções em evento rumo à XXIV Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba

Decorreu em 30 de maio a etapa estadual da Bahia preparatória para a XXIV Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba, que acontece de 20 a 22 de junho em Santos (SP). Em Salvador, o evento foi realizado pela Associação Cultural José Martí (ACJM-BA) e o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) e reuniu diversas entidades, com a participação da cônsul de Cuba Milena Zaldivar.

Na fase baiana, a cônsul de Cuba discorreu sobre a nova Constituição de seu país, as consequências da Lei Helms-Burton para a economia cubana e as salvaguardas nas Leis de Cuba para o enfrentamento a esta lei extraterritorial estadunidense.

A lei, de 1996, é denominada Ato pela Liberdade Cubana e a Solidariedade Democrática e tem como objetivo explícito derrubar o governo popular da ilha revolucionária através do fortalecimento e ampliação de sanções já em vigor desde que instituído o embargo, passando a ser aplicada contra empresas estrangeiras que comercializem com Cuba.

No evento participaram Maria Ivone Souza, presidenta da ACJM Bahia e membros da direção da entidade, cuja eleição e posse decorreu também na conferência; Antônio Barreto, presidente do Cebrapaz, assim como toda a direção do núcleo estadual da entidade; representantes da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), do Sindicato dos Metalúrgicos, do Sindicato dos Bancários, dos Médicos pela Democracia, do Instituto de Estudo e Ação pela Paz com Justiça Social (IAPAZ), da Associação dos Professores Licenciados da Bahia (APLB Sindicato) e do Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Os participantes do evento aprovaram uma moção de repúdio à Lei Helms-Burton e outra pela paz na Venezuela, em solidariedade ao povo venezuelano contra a ingerência do imperialismo estadunidense e seu bloqueio criminoso.

A conferência nacional vai debater e aprovar uma resolução final contra o bloqueio econômico, financeiro, midiático e de insumos para a saúde e alimentares, bloqueio imposto há seis décadas pelos EUA e acatado por diversos países. A medida visa sufocar e debilitar a indústria de Cuba.

A resolução a ser promovida pela Convenção Nacional também denunciará a ativação do item III da Lei Helms-Burton por Donald Trump. O item permitiria a cidadãos dos EUA processar empresas que operem em propriedades nacionalizadas pela Revolução Cubana, nos tribunais estadunidenses. Embora parte da ofensiva lei de 1996 que compõe o bloqueio criminoso de Cuba pelos EUA, o item esteve sempre suspenso.

A delegação da Bahia à Convenção Nacional será composta por Ivone Souza, Antônio Barreto, Juraci Lago e Getúlio Menezes, mas continua aberta a todos os amigos de Cuba que desejarem participar desse importante evento de solidariedade.

Consulte mais informações e a programação da Convenção Nacional clicando aqui.