Conselho Mundial da Paz condena proposta de ativação do TIAR contra a Venezuela

Diante da proposta apresentada na Organização de Estados Americanos pela Colômbia e respaldada por membros como o Brasil para ativar o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) contra a Venezuela, entidades de todo o mundo manifestaram seu contundente repúdio à continuidade das ameaças, cerco e agressões contra o país e a uma eventual intervenção militar. Leia a nota divulgada pelo Conselho Mundial da Paz (CMP), de que o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) é membro, na sexta-feira (13).

Declaração do CMP sobre a decisão da Organização de Estados Americanos (OEA) sobre a Venezuela

O Conselho Mundial da Paz (CMP) denuncia firmemente a recente decisão de um grupo de Estados dentro da “Organização de Estados Americanos (OEA)” de ativar o Tratado Interamericano de Assisência Recíproca (TIAR) sobre a Venezuela, [funcionando] como um instrumento de interferência nos assuntos soberanos de países há muitas décadas.

O tratado sempre foi um mecanismo imposto pelos EUA com o objetivo de legitimar intervenções militares na América Latina por razões ideológicas, como aconteceu na Guatemala (1954), Cuba (1961), República Dominicana (1965), Granada (1983) e Panamá (1989).

A nova provocação da OEA constitui uma clara violação dos princípios fundadores da Carta da ONU contra a República Bolivariana da Venezuela, seu governo eleito e seu povo. Constitui ainda uma escalada na agressão e uma ameça de intervenção militar pelos EUA e seus aliados voluntários na região, um perigo para a paz e a estabilidade em toda a área.

O CMP expressa sua sincera solidariedade ao povo da Venezuela e seu direito soberano de defender sua pátria e suas conquistas e de decidir livremente e sem qualquer interferência estrangeira sobre seu futuro e destino. Condenamos as ações multifacetadas do governo estadunidense, da União Europeia e de vários governos da América Latina, que visam derrubar o legítimo presidente da Venezuela através de numerosas tentativas de golpe de estado, guerra econômica e sanções, das quais o povo da Venezuela sofre sérias consequências.

Exigimos o fim de todas as medidas coercivas da OEA, do governo dos EUA e da UE, que buscam asfixiar o povo venezuelano enquanto tentam impor um fantoche autoproclamado [presidente], numa violenta prática de mudança de regime no país.

Tirem as mãos da Venezuela!
Abaixo às políticas imperialistas na América Latina!

Atenas, 13 de setembro de 2019
Secretariado do CMP

Tradução: CEBRAPAZ