Avança a luta contra a pobreza na China

Milhões de quadros do governo e de empresas estatais foram enviados para áreas empobrecidas para ajudar a aumentar a renda nos últimos anos. Para muitos, tem sido uma tarefa difícil, mas o trabalho trouxe satisfação.

Por Zhuang Pinghui, no South China Morning Post

Alunos de uma escola rural. China aposta na educação como uma das formas de combater a pobreza. Foto: CGTN/VCG

Às vezes, a pressão do trabalho de Li Ping é tão grande que ele não consegue dormir à noite. Li foi transferido para um canto remoto e montanhoso do sudoeste da China em 2016 com a missão de ajudar a tirar a comunidade da pobreza. Hoje, o município de Xide, na província de Sichuan – a área sob jurisdição de Li – está prestes a atingir oficialmente a meta. Xide é um dos sete municípios da parte oeste de Sichuan que ainda está abaixo da linha da pobreza e a comunidade está esperando uma resposta dos níveis mais altos do governo para saber se atingiu a meta.

Mas isso não significa que a preocupação acabou. “Estou ansioso para saber se usamos todos os fundos de redução da pobreza de forma eficiente e sábia”, disse Li.

Li está entre os quase 3 milhões de funcionários de autoridades distritais e empresas estatais enviados para áreas empobrecidas há cerca de cinco anos, depois que o presidente Xi Jinping fez com que livrar o país da pobreza absoluta fosse uma meta a ser alcançada a tempo para o centenário no próximo ano da fundação do Partido Comunista.

Eles foram enviados para trabalhar como secretários do partido ou para assumir outras funções nas aldeias. Outros mais foram enviados para fazer visitas domiciliares e entrevistas. Para muitos desses quadros, a missão teve um grande custo pessoal – Li passa a maior parte de suas horas de vigília nessa tarefa. “Trabalho há mais de 20 anos e nunca fiquei em um cargo por cinco anos como este. É um período de desenvolvimento pessoal mais lento, mas com maior satisfação no trabalho”, disse ele. Han Feng, do Departamento de Alívio da Pobreza e Desenvolvimento de Sichuan, disse que a redução da pobreza costumava ser uma linha de trabalho marginalizada, mas “agora está no centro do palco”. Ele disse que trabalhava cerca de 14 horas por dia e às vezes nos finais de semana, visitando áreas rurais e relatando o progresso e os problemas ao governo provincial e ao comitê do partido. “Estou encarregado de municípios que estão profundamente mergulhados na pobreza e a pressão é especialmente grande”, disse Han. “Estamos gastando fundos do governo, adotando abordagens heterodoxas e trabalhando muitas horas para compensar as deficiências para cumprir o prazo de 2020.”

Esse esforço parece estar dando frutos em algumas partes do país. No final do ano passado, o número de pessoas vivendo na pobreza absoluta era de 5,51 milhões, abaixo dos mais de 98 milhões em 2012, de acordo com dados oficiais. O limite nacional de pobreza absoluta é a renda familiar anual de aproximadamente 4.000 yuans (US $ 587) este ano. Dong Jiaqi, chefe de planejamento e finanças do Escritório do Grupo Líder de Alívio da Pobreza e Desenvolvimento do Conselho de Estado, disse que parte do progresso era um sistema que responsabilizava os funcionários pessoalmente. Segundo o sistema, os principais líderes do partido e do governo de 22 províncias centrais e ocidentais se comprometeram a assumir a responsabilidade pela implementação do programa. Autoridades locais também assumiram compromissos semelhantes. “O alívio da pobreza é o trabalho mais importante para o secretário do partido de um município que foi designado como pobre”, disse Dong. “Eles permanecerão nesse posto até que a localidade seja retirada da pobreza”. Os chefes do partido foram avaliados a cada ano sobre o progresso da redução da pobreza e os que tiveram desempenho ruim foram “entrevistados” por seus superiores, com os resultados influenciando o financiamento para o ano seguinte, disse Dong. “Os [chefes do partido] são líderes-chave no trabalho de redução da pobreza. Diferentes níveis de agências governamentais prestarão mais atenção à questão se os secretários do partido dedicam atenção e assumem o controle pessoalmente ”, disse ele.

Zhang Hengluwei também pagou um alto preço pessoal pela campanha. Zhang deixou sua casa e seu filho de dois anos em Mianzhu, na província de Sichuan há dois anos e se mudou para a aldeia montanhosa de Xujiashan, a 450 km de distância para ajudar os moradores na campanha de redução da pobreza. A população da aldeia, predominantemente da minoria étnica Yi, viviam em cabanas de barro, não tinham água potável e não tinham estradas que os ligassem ao mundo exterior. Alguns eram analfabetos e não falavam mandarim. O servidor do município, de 30 anos, passou a maior parte do tempo realizando treinamentos, explicando as políticas do governo aos moradores. “Meu trabalho é deixá-los saber o que podem fazer ou alcançar, dando-lhes esperança no escuro”, disse Zhang.

Uma nova estrada foi construída e fazendas de hortaliças e porcos criadas para aumentar o emprego, permitindo que a aldeia fosse retirada da lista de pobreza. Zhang, que viu sua família apenas ocasionalmente desde que se mudou para a aldeia, pode finalmente voltar para casa em Mianzhu no final deste ano. A satisfação no trabalho parece ter compensado as longas horas e o tempo longe da família. “Falamos sobre a construção de uma China próspera, mas você não pode chamar de próspera com um rico leste da China e um pobre oeste da China. Esta é uma causa muito significativa”, disse ele. Han, que veio de uma família rural, disse que ficou particularmente satisfeito em ver a campanha reduzir a divisão cidade-campo – e por ter desempenhado um papel nessa mudança. “Dizemos que esta batalha pelo alívio da pobreza é uma guerra difícil. Quando a guerra acabar, terei muito orgulho e direi às pessoas que participei dela, como um veterano de guerra [marchando] em uma parada da vitória.

Via Resistência