Direção Executiva do Cebrapaz emite nota de solidariedade a Cuba

Em reunião nesta quinta-feira (29), a Direção Executiva do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ) aprovou uma declaração de apoio ao povo de Cuba e em contundente repúdio às persistentes manobras contra a Revolução e pela desestabilização do país, que enfrenta cerca de seis décadas de um bloqueio endurecido mesmo diante da pandemia que assola o mundo. Leia o texto a seguir:

[Leer en español]

Nota da Executiva Nacional do Cebrapaz

A Executiva Nacional do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) expressa sua irrestrita solidariedade à República de Cuba, diante da intensa ofensiva política, diplomática e midiática que desde o dia 11 de julho tenta desestabilizar o país caribenho.

Cuba resiste há quase 5 décadas a um feroz bloqueio econômico, comercial e financeiro promovido pelos EUA.
Durante todo este largo período, o relacionamento comercial rotineiro de Cuba com o exterior, direito de qualquer país, é impedido, atingindo todas as áreas da vida cubana.

Alimentos, roupas, combustível, suprimentos médicos, peças de reposição para transporte ou eletricidade, nada escapa.

O cerco promovido pelos EUA é condenado pelo planeta e já foi alvo de 29 resoluções da Assembleia Geral das Nações Unidas exigindo sua revogação. Da última vez, no dia 23/07, 184 países votaram a favor de Cuba, com apenas dois votos contra e três abstenções.

Os arroubos retóricos do genocida que ocupa a cadeira de presidente do Brasil, atacando Cuba para tentar desviar a atenção de graves problemas e denúncias que enfrenta internamente, não são capazes de esconder que o Brasil, sem sofrer qualquer sanção internacional, tem hoje mais de 19 milhões de brasileiros passando fome, quase duas vezes a população da pequenina Cuba. Em relação à pandemia, Cuba tem 141 mortos por milhão de habitantes, o Brasil tem 2.278 por milhão.

Ressalte-se que, mesmo durante a pandemia, o bloqueio promovido pelos EUA cruelmente se intensificou, buscando sabotar os esforços de Cuba no enfrentamento da Covid-19.

O objetivo de tal política é abertamente apregoado desde 1962, conforme memorando oficial do governo estadunidense, que inaugurou a política de cerco:

“o único modo (…) de tirar o apoio interno (à Revolução) é mediante o desencanto e a insatisfação que surjam do mal-estar econômico e das dificuldades materiais (…). Há que se empregar, rapidamente, todos os meios possíveis para debilitar a vida econômica (…) e conseguir os maiores avanços na privação a Cuba, de dinheiro e fornecimento, para reduzir recursos financeiros e os salários reais, provocar fome, desespero e o derrocamento do governo”.

Ser solidário ao povo cubano, portanto, é antes de mais nada, defender o fim do bloqueio, causa maior de todos os problemas e dificuldades enfrentados pela população.

Juntamos nossas vozes aos que, ao redor do mundo, defendem o direito da nação cubana a escolher seu próprio caminho. Caminho que tem sido marcado, apesar de todos os obstáculos, por avançadas conquistas sociais e pela prática generosa da solidariedade internacional, que ao contrário dos bloqueios e ameaças, deve ser a marca das relações entre povos e nações livres.

Cuba resistiu, resiste e vencerá.

Executiva Nacional do Cebrapaz
29/07/2021