Comunidade árabe de Foz organiza ato de repúdio à revista Veja

A cidade paranaense de Foz do Iguaçu realizou, na noite de domingo (17), na sede da Sociedade Beneficente Islâmica, um amplo ato de repúdio contra a revista Veja, pelas acusações de suposto envolvimento da comunidade árabe da tríplice fronteira com o terrorismo. A cerimônia reuniu mais de 800 pessoas e contou com a participação do deputado federal, Protógenes Queiroz (PCdoB). Para o vereador da cidade, Nilton Bobato (PCdoB), “não é uma revista medíocre que vai abalar nossa relação (com a comunidade árabe), pelo contrário, nos une cada vez mais e nos fortalece para levantar esta bandeira da cultura da paz”, disse.

O ato que contou com a presença do vice-prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro (PCdoB), do Xeque sunita Mohsin Al Husseini, do Xeque xiita Mohamed Khalil, e do militante e jornalista Aloizio Palmar, foi marcado por discursos que tiveram a tônica de resistência contra a opressão e perseguição promovida por grupos dominantes e imperialistas.

As ações de repúdio às acusações reiteradas da revista Veja em sua penúltima edição (3/4), sobre o envolvimento da comunidade árabe da tríplice fronteira com o terrorismo, repercutiram com uma dimensão incalculável em Foz do Iguaçu, onde vozes importantes, como a do deputado federal Protógenes Queiroz se somaram às manifestações contra as informações consideradas difamatórias e discriminatórias promovidas pela revista.

Protógenes foi convidado pela comunidade árabe de Foz do Iguaçu, após ter feito o pronunciamento no Congresso Nacional em defesa da comunidade árabe e em repúdio à matéria da Veja. Para o deputado, “este tipo de matéria não é feita de graça ou por diletantismo, mas patrocinada com o mesmo dinheiro usado para manter interesses espúrios”.

Protógenes, que já coordenou o escritório de Investigação da Codesul em Foz do Iguaçu, refuta as acusações de terrorismo na fronteira e afirma que a revista é quem pratica o terror contra os povos em favor de interesses imperialistas. “O Brasil abriga terroristas sim, mas não são os árabes; o terrorismo que existe em Foz é produzido pelos repórteres da Veja, patrocinados para escrever a matéria”, disse.

O deputado citou que cifras milionárias são utilizadas pelos Estados Unidos para financiar veículos de comunicação e implantar o terrorismo contra os povos árabes.

O vice-prefeito Chico Brasileiro também vinculou a chamada “fabricação” da matéria aos interesses dos grupos econômicos aliados ao interesses imperialistas, e situou na história o compromisso da editora Abril, que edita a Veja, com as elites entreguistas do país. “A primeira edição da revista Veja foi em 11 de setembro de 1968, a capa da revista, nesta primeira edição, foi justamente para defender a ditadura militar implantada na época, e para dizer que o Brasil vivia uma ameaça terrorista comunista. Esta foi a primeira edição e demonstra que de 11 de setembro de 1968 para abril de 2011, ela não mudou em nada, ela continua sendo o mesmo agente do imperialismo e do terrorismo internacional”, disse Brasileiro.

Deixe uma resposta