Organizações da Guiana Francesa qualificam Sarkozy como “persona non grata”

Diversas organizações sociais da Guiana Francesa vieram a público nesta semana para manifestar sua contrariedade em relação às políticas do presidente francês, Nicolas Sarkozy. Entre as entidades, se destacam a Organização Guianense de Direitos Humanos (OGDH), a organização Drwè Mun Lagwyann, a Organização de Direitos Humanos da Guiana e a Organização Guianense de Direitos Humanos. Todas elas tacharam Sarkozy como “persona non grata”.
Segundo as organizações, o presidente francês é o grande responsável pela desestabilização de colonos franceses em seu país. Esses assentamentos, segundo as denúncias, têm gerado uma série de crimes:

– o genocídio de parte da população;
– o genocídio dos ameríndios da Guiana;
– a espoliação das terras dos povos indigenas da Guiana, violando o artigo 169 e a Convencão sobre Diversidade Biológica.

Leia também abaixo a nota distribuída nesta semana pelas organizações do país:         

Homens e mulheres da Guiana sofrem discriminação. O terrorismo de um estado fascista segue praticando humilhação e perseguição, por controles abusivos realizados por mercenários das forças de ocupação francesa e seus aliados; aduaneiros e polícia civil aumentaram o seu empobrecimento, atrofiando um país; suas multinacionais promovem a pilhagem de seus recursos.

O legado do apartheid através da criação de postos ilegais no contesto da monitorização continua da Guiana. As organizações nacionalistas e de independência consideram Nicolas Sarkozy, que virá ao nosso país por ocasião da inauguração da ponte sobre o Oiapoque entre o Brasil e a Guiana, com persona non grata.

Encorajamos as pessoas e os governos da região para tomar nota. Chamamos o povo da Guiana e os povos indígenas para esta mobilização.

Caiena, 28 de abril de 2011.

Para contatar as organizações que assinam a nota, escreva para ogdh-bolivar@hotmail.com. Existe também a opção do fone: 0694 90 78 06

Deixe uma resposta