Palestinos apresentarão pedido à ONU em 23 de setembro

Representantes palestinos apresentarão ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, um pedido de entrada na ONU como membro de pleno direito no dia 23 de setembro, informou nesta quinta-feira (15) o ministro das Relações Exteriores da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Riad Al Maliki.

 

Al Maliki, que tinha garantido que o pedido seria feito no dia 22, afirmou nesta quinta-feira em uma entrevista à Wafa, agência da ANP, “Wafa”, que o presidente Mahmoud Abbas entregará o texto a Ban Ki-moon após discurso de apresentação da iniciativa na Assembleia Geral.

Ao mesmo tempo, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou que ele próprio representará seu país na Assembleia Geral, em vez dos dois outros nomes cogitados: o presidente Shimon Peres e o titular das Relações Exteriores, Avigdor Lieberman, que estava quase descartado.

O pedido palestino passará por uma série de trâmites que podem durar quatro dias, como no recente caso do Sudão do Sul, e se prolongar por meses.

Caso a medida tenha de passar pelo Conselho de Segurança da organização, os palestinos já sabem que os Estados Unidos vetarão a proposta, algo que o presidente Barack Obama já confirmou na segunda-feira passada.

Com a negativa de Washington, os palestinos terão de fazer um novo pedido, como fizeram outros países, até conseguir a aprovação no Conselho de Segurança ou – o mais provável – se dirigir à Assembleia Geral um status diferente, o de Estado não-membro.

O responsável pela diplomacia da ANP destacou nesta quinta-feira que os palestinos desconhecem a posição da União Europeia (UE), mas contam com o apoio dos países árabes, a Organização de Cooperação Islâmica, o Movimento dos Países Não-Alinhados, a maioria dos estados sul-americanos e a União Africana.

Os palestinos decidiram recorrer à ONU por conta da intransigência israelense, que forçou, há um ano, a interrupção do diálogo entre as duas partes por causa da negativa israelense em prolongar a moratória proibindo a construção em colônias ilegais.

Os palestinos colocam como condição para o retorno à mesa de negociações que os israelenses parem a ampliação das colônias nos territórios ocupados em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia e também se comprometam a ter parâmetros claros de diálogo, para que não utilizem as negociações apenas como uma forma de ganhar tempo diante da comunidade internacional.

Da redação do Vermelho, com agências.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s