Golpistas da Líbia rejeitam investigação sobre morte de Kadafi

O ministro da Informação do autoproclamado Conselho Nacional de Transição (CNT) da Líbia, Mohamed Shaman, anunciou nesta segunda-feira (24) que o governo provisório do país “rejeita qualquer” investigação internacional sobre as circunstâncias que causaram a morte do ex-presidente Muamar Kadafi, de 69 anos, no último dia 20.

Shaman disse que a iniciativa é uma provocação. “Não vamos nos render a uma provocação internacional sobre esse assunto”, acrescentou.

A versão oficial é que Kadafi e o filho Mutassim morreram durante tiroteio na região de Sirte, cidade natal do ex-presidente. No entanto, vídeos mostram Kadafi e o filho ainda vivos. Também há imagens do ex-presidente sendo abatido por homens e não foram mostradas gravações indicando a troca de tiros.

Para integrantes da comunidade internacional, Kadafi e o filho foram assassinados. Um médico que examinou o corpo do ex-presidente disse que ele morreu em decorrência de um tiro no abdome e não por causa de uma bala na cabeça. Desde a semana passada, os opositores do antigo regime negam extermínio e violência.

O CNT da Líbia não informou ainda sobre as cerimônias de enterro de Kadafi e Mutassim. Os corpos estão em um frigorífico na cidade de Misrata. O governo de transição teme que as cerimônias de enterro dos dois se transformem em manifestação e que o local onde os corpos ficarão seja área de peregrinação.

Da redação do Vermelho, com Agência Brasil

Deixe uma resposta