Palestina tentará admissão em outras agências da ONU

Depois de conseguir a admissão como um Estado pleno da Unesco, a Palestina tentará agora se tornar um membro pleno de outras 16 agências das Nações Unidas, segundo fonte citada pelo jornal israelense “Haaretz” nesta terça-feira (1º)

Dentre as agências, estariam a OMS (Organização Mundial de Saúde), a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), a OIT (Organização Internacional do Trabalho) e a (OMPI) Organização Mundial de Propriedade Intelectual, entre outras menores.

De acordo com o “Haaretz”, uma fonte do Ministério das Relações Exteriores informou que o ministro palestino da Saúde, Fathi Abu Moghli, foi enviado na semana passada pelo presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina), Mahmoud Abbas, para se encontrar com o chefe da OMS para informar sobre a intenção palestina de submeter o pedido à votação da organização.

Ibrahim Khraishi, representante palestino nas Nações Unidas, em Genebra, disse à Associated Press nesta terça-feira sobre a intenção da ANP de ingressar em outras agências e organizações da ONU.

“Agora estamos estudando quando vamos partir para a filiação plena nas outras agências da ONU”, disse Khraishi. “É nosso objetivo participar das organizações internacionais e agências da ONU”.

Votação

Na segunda-feira, a Palestina se tornou membro pleno da Unesco durante uma votação nominal na 36ª Conferência Geral do órgão, em Paris. A resolução foi aprovada com 107 votos a favor, 52 abstenções, e 14 votos contrários, entre eles de Israel, Alemanha e Estados Unidos.

Para conceder o status de Estado-membro à Palestina, a Unesco precisava do voto favorável de dois terços dos 193 países representados na votação.

A condição anterior dos palestinos era de membro observador. A solicitação de mudança de status é parte da batalha diplomática empreendida pelo povo árabe para que sejam reconhecidos como Estado, o que culminaria em sua tentativa de ingressar na ONU.

A agência é a primeira da organização em que os palestinos buscaram integração como membro total desde que o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, entrou com o pedido de assento na ONU, em 23 de setembro.

Da redação do Vermelho, com agencias

 

Deixe uma resposta