Amplo repúdio internacional ao atentado terrorista em Damasco

Os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas consideraram como “atrozes” os atentados perpetrados nesta quinta-feira (10), que mataram mais de 70 pessoas e feriram mais de 400, no sul da cidade de Damasco, capital síria.

 “Os membros do Conselho de Segurança condenam nos termos mais enérgicos os ataques terroristas ocorridos em Damasco e que causaram numerosos mortos e feridos.”

Além da condenação, o conselho renovou o pedido pelo cumprimento das resoluções do plano de paz proposto pelo enviado especial da organização, Kofi Annan, ao governo e à oposição do país árabe.

A ONU também pede respeito à missão de observadores, que percorre o país desde abril. O atual secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o ex-secretário-geral Annan também condenaram o atentado.

O atual responsável pela ONU instou as partes em litígio a “se distanciarem dos atentados indiscriminados e de outros atos terroristas”, pedindo ainda que “cumpram plenamente suas obrigações para com o fim da violência e a proteção da população civil”.

Annan, enviado especial da ONU para a Síria, também condenou o ataque terrorista, reiterando seu pedido de que seja respeitado o cessar-fogo estabelecido pelo governo na Síria.

Em um comunicado divulgado a partir de Genebra, o diplomata ganês lamentou a perda de vidas humanas ocasionada pela explosão das bombas.

“Esses atos detestáveis são inaceitáveis. A violência na Síria deve terminar”, sublinhou o funcionário das Nações Unidas.

Cônsul em São Paulo lamenta

Ghassan Obeid, cônsul geral da Síria em São Paulo, condenou energicamente o atantado terrorista. “Com muita tristeza e amargo sentimento condenamos hoje as explosões acontecidas em Damasco, mais de 75 mortos, 400 feridos graves, 126 carros destruídos, 400 apartamentos quebrados e muito sangue inocente sírio derramado”, lamentou o cônsul.

“Esse crime foi cometido da maneira mais bárbara e covarde para matar inocentes, que estavam indo para as escolas e para o trabalho às 7h45 de manhã. Não é uma reclamação por democracia e mais liberdade. Isso significa que os países que fornecem as armas e dinheiro para esses rebeldes e vagabundos, criminosos bárbaros são os criminosos e merecem a condenação do mundo inteiro”, finaliza indignado o representante sírio em São Paulo.

Líbano e Hezbolá também condenam

O presidente do Líbano, Michel Sleiman, condenou nesta quinta-feira (10) os atentados terroristas cometidos na Síria, enquanto o movimento xiita Hezbolá afirmou que o ataque é reflexo do complô terrorista desferido para semear o caos no país vizinho.

Sleiman telefonou para o presidente sírio, Bashar al-Assad, e expressou suas condolências pela morte de ao menos 75 pessoas em consequência dos ataques com fortes cargas de explosivos na zona sul de Damasco, ação atribuída a grupos opositores extremistas.

“As contínuas explosões na Síria, que causam perdas de vida de inocentes civis, não são a forma correta de obter a democracia”, comentou o presidente libanês a Al-Assad, de acordo com um despacho da presidência divulgado pela agência de notícias governamental Sana.

Em alusão aos métodos usados pelos “oposicionistas”, o chefe de Estado sublinhou que “o único caminho correto e exemplar é sentar-se à mesa do diálogo e procurar de forma calma e sábia meios para alcançar uma transição rumo à democracia”.

Por sua vez, dirigentes do movimento de resistência Hezbolá (Partido de Deus), que lidera a coalizão do governo libanês, emitiram um comunicado conjunto com o líder do partido Sírio Social Nacionalista, Assad Hardane, condenando os ataques terroristas desta quinta.

As duas organizações fizeram alertas sobre o apoio oferecido “por alguns países bem conhecidos dos grupos terroristas na Síria”, em alusão implícita à Arábia Saudita e ao Catar, cujos regimes defendem abertamente o fornecimento de armas à “oposição”.

“É importante impedir o contrabando de armas e mercenários (do Líbano à Síria)”, agregaram, enquanto elogiavam as autoridades de Beirute pela interceptação recentemente no mar Mediterrâneo do barco Lutfala II, que transportava um verdadeiro arsenal para os bandos armados que atuam na Síria.

A mídia corporativa, dirigida pelo imperialismo, reverbera a estapafúrdia acusação do “Conselho Nacional Sírio”, controlado pelos Estados Unidos e Reino Unido, que as explosões seriam “obra do governo, com a finalidade de amedrontar os observadores internacionais e reforçar os argumentos sobre a presença de grupos armados e da Al-Qaida no país”.

A melhor resposta a essas acusações dos grupos comandados pelas potências ocidentais, Arábia Saudita e Catar veio de cidadãos sírios que tentavam ajudar os feridos no meio dos escombros provocados pelo ataque terrorista.

“Esta é a liberdade que vocês querem? Crianças que iam à escola e funcionários que iam aos seus empregos morreram”, gritava um cidadão para repórteres da mídia corporativa ocidental, em meio aos destroços.

Repúdio aos atentados

Registra-se na mídia internacional não ligada à grende mídia corporativa ocidental um grande repúdio aos atentados realizados nesta manhã de quinta. Partidos políticos, associações, sindicatos e instituições condenaram com termos enérgicos as ações, de acordo com informações divulgadas pela Sana.

A Assembleia do Povo, parlamento sírio, deplorou as explosões perpetradas por bandos armados e considerou que o ataque está no contexto do complô que se desenvolve atualmente contra a Síria.

Os representantes do povo sírio convocaram seus pares ao redor do mundo para que “detenham a sangrenta violência e o terrorismo organizado, que cobra a vida de milhares de vítimas”, assinala um comunicado do orgão.

A Assembleia instou organizações internacionais para que assumam suas responsabilidades, no marco de uma conferência internacional que apoie o plano de Annan, enviado da ONU, para retirar a Síria dessa crise por meio de uma solução política baseada no diálogo nacional.

Também nesta quinta o Observatório Sírio de Vítimas da Violência e do Terrorismo condenou os atentados terroristas cometidos em um cruzamento importante da avenida Al-Kazzaz, na Perimetral Sul de Damasco.

Responsabilidade é estrangeira

Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, responsabilizou diretamente as potências estrangeiras pela violência na Síria.

“Infelizmente, alguns de nossos parceiros não só fazem previsões, mas também ações práticas para que a situação exploda no sentido literal e suposto do termo”, afirmou Lavrov em entrevista coletiva em Pequim, segundo a chancelaria russa.

Lavrov, que se reuniu hoje com seu colega chinês, Yang Jiechi, acrescentou: “Também me refiro a essas explosões”.

“Os líderes da comunidade internacional têm influência sobre eles (os grupos armados). Deveriam utilizar sua influência para o bem, não para o mal”, disse.

Delírio da CIA e dos mafiosos

Os serviços de espionagem dos Estados Unidos tentam associar Cuba aos distúrbios atuais no país árabe, denunciou hoje o jornal do Partido Comunista de Cuba, o Granma.

Um artigo do jornalista canadense radicado em Havana, Jean-Guy Allard, assinala que o aparato estadunidense de propaganda utiliza pessoal cubano-americano e elementos sirios controlados por eles em Miami para criar campanhas subversivas contra ambos os países, que Allard denomina “o show Síria-Cuba”.

O canadense também criticou um despacho da agência de notícias pública espanhola Efe, que dizia que “dissidentes cubanos e sírios em Miami”, sede das intermináveis conspirações contra a ilha socialista, “criaram uma frente para combater Castro e al-Assad”.

“O tal convênio não é a primeira tentativa de associar a nação árabe com a Ilha caribenha”, diz Allard.

No artigo “Delírio miamense…” o jornalista recorda que, há algumas semanas, uma sessão “informativa” do Congresso estadunidense abriu um debate com o tema intitulado “Primavera Árabe em Cuba”, com os representantes Mario Díaz-Balart, Ileana Ros-Lehtinen e David Rivera, notórios representantes da máfia cubana nos Estados Unidos.

Do vermelho com informações das Agências Sana e Prensa Latina 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s