Bombardeios de Hiroshima completam 68 anos; EUA continuam impunes

Na marca dos 68 anos após o primeiro dos bombardeios nucleares das cidades japonesas Hiroshima e Nagasaki, a presidenta do Conselho Mundial da Paz (CMP) e do Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), Socorro Gomes, em declarações ao Vermelho, diz que a ação foi “um crime de lesa-humanidade”, e que é injustificável os Estados Unidos ainda não terem sido julgados por ela.

O então primeiro-ministro japonês Yoshihiko Noda homenageia as vítimas da bomba atômica de 1945 durante a cerimônia do 67º aniversário dos bombardeios estadunidenses, em 2012, no Memorial da Paz de Hiroshima.

“A guerra, naquele momento, já estava praticamente terminada, e o Japão já estava derrotado. Quando os Estados Unidos lançaram a bomba, o objetivo era testá-las, assim como impor o medo à humanidade, a outros países e povos. Ou seja, ali os EUA, já como potência militar, aceleram na escalada da imposição do terror ao mundo”, explica Socorro.

Entretanto, até hoje, “é impressionante e injustificável que os Estados Unidos não tenham sido julgados e nem condenados, é algo que nunca podemos esquecer”, completa a presidenta do CMP.

Socorro conta que, “no Japão, inclusive, há conferências e campanhas por isso, pois há inúmeras vítimas que sofreram sequelas pelo que ocorreu. Os Estados Unidos impuseram aos japoneses e à humanidade o Inferno de Dante, e precisa ser julgado por isso”. O presidente de então era Harry S. Truman, que acabava de assumir o cargo.

O esforço pelo desarmamento tem sido descrito por seus defensores como um processo a ser realizado “de maneira não discriminatória, universal e verificável”. O Paquistão e a Índia, únicos países do sul asiático a possuírem armas nucleares, sustentaram que o desarmamento é viável, e deve ser um compromisso universal.

“O desarmamento nuclear mundial é factível se garantirmos uma segurança igual e sem menosprezo para todos os Estados”, disse o porta-voz do Ministério paquistanês de Relações Exteriores, Aizaz Ahmad Chaudhry, à agencia de noticias Kyodo News. A Índia e o Paquistão não são signatários do Tratado de Não Proliferação nuclear (TNP), aberto para assinatura em 1968 e em vigor desde 1970. São 93 países signatários atualmente e 190 países parte.

Desde 1947, todos os prefeitos da cidade têm promovido a campanha “Não mais Hiroshima”, e instado as potências nucleares a abandonar os ensaios deste tipo, para colocar um fim às ameaças das armas atômicas.

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a Conferência sobre o Desarmamento, estabelecida em 1979 como o único órgão de negociações multilaterais sobre o desarmamento, providencia apoio organizacional para diversos acordos de não-proliferação e desarmamento.

A criação da conferência seguiu-se à primeira Sessão Especial sobre Desarmamento (SSOD I), na Assembleia Geral da ONU, ainda em tempo de Guerra Fria, em 1978.

Além disso, o governo do Japão, em cooperação com as cidades de Hiroshima e Nagasaki e com a ONU, tem trabalhado pela garantia de que os testemunhos dos sobreviventes da bomba atômica (os “hibakusha”) se tornem um legado. O Minstério de Assuntos Estrangeiros do Japão disponibilizou os testemunhos de 21 sobreviventes, traduzidos para diversas línguas.

Com informações da ONU,
Moara Crivelente, da redação do Vermelho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s