Cebrapaz marca Dia Global Contra Otan em atividade em São Paulo

O Cebrapaz participou de uma atividade no Dia Global de Ação contra a Otan, convocado pelo Conselho Mundial da Paz (CMP), para 30 de agosto, na Assembleia Legislativa de São Paulo. O evento, uma simulação da Assembleia Geral das Nações Unidas, foi organizado pelo Centro Institucional dos Estudantes de Relações Internacionais (Cieri), da Universidade Paulista (Unip). O diretor de Comunicação do Cebrapaz José Reinaldo Carvalho falou em nome da presidenta do Centro e do Conselho Mundial da Paz e do Cebrapaz, Socorro Gomes.

José Reinaldo Carvalho destacou, de acordo com o Portal Vermelho, que “a Otan é uma organização estratégica na cadeia imperialista; sua ação imperialista e agressiva não está distante da realidade nacional e latino-americana”. .

“A Otan é o braço armado do imperialismo estadunidense e dos países imperialistas da União Europeia”, assinalou o representante do Cebrapaz, classificando a Otan como inimiga da paz, comprometida com os interesses estratégicos e vitais do sistema imperialista. José Reinaldo destacou ainda que a Aliança conta atualmente com 28 Estados membros, da América do Norte e Europa, e com outros 22 países vinculados na chamada Parceria Euro-Atlântico, ao mesmo tempo em que outros 19 estão ligados à Otan por meio de programas como o “Diálogos do Mediterrâneo” e a “Inciativa de Cooperação de Istambul”.

dia ao global contra otan cmp

Desde 1991, a Otan vem frequentemente ampliando o escopo dos seus conceitos estratégicos. Na Cúpula de Washington, daquele ano, o pretexto era a sustentação de uma Aliança de ameaça contra a União Soviética, após a sua queda. Depois disso, sucessivas cúpulas serviram para expandir o quadro de atuação – com o emprego, inclusive, de pretextos “humanitários” – e a sua presença geográfica, abrangindo todo o globo, para além do território dos seus membros.

Por isso, o Conselho Mundial da Paz convocou o Dia Global de Ação contra a Otan, poucos dias antes da realização de mais uma Cúpula, no País de Gales, entre 4 e 6 de setembro, num contexto de crises em que a Aliança tenta infiltrar-se oficialmente, após atuar nos bastidores de forma decisiva para a eclosão ou a intensificação de conflitos. É o caso da Ucrânia, em que a Europa e os EUA colocaram-se em confronto com a Rússia, entre outros.

Movimentação de tropas da Otan na fronteira com a Rússia

José Reinaldo chamou atenção ao papel da máquina de guerra do imperialismo nas agressões contra a antiga Iugoslávia, no final dos anos 1990, assim como na intervenção militar contra o Afeganistão, na ocupação militar do Iraque e na deposição do governo da Líbia, todas ações lideradas pelos Estados Unidos. 

A Otan, mesmo sem intervir militarmente na Síria, com seu serviço de espionagem aliado à Agência Central de Inteligência estadunidense (CIA), tem instrumentalizado os mercenários no país árabe.

“Tudo isso classifica a Otan como um grande perigo, uma grande ameaça aos interesses dos povos e à paz mundial”, assinalou o José Reinaldo, reafirmando o posicionamento do Cebrapaz de que a luta pela dissolução da Otan faz parte das plataformas de mobilização dos povos e das organizações políticas e sociais que defendem a paz, a justiça social e o progresso.

Ucrânia

Com relação à proposta inicial da Assembleia simulada, o representante do Cebrapaz não titubeou em afirmar que a Ucrânia viveu um golpe de Estado quando o presidente Viktor Yanukovich foi deposto, em fevereiro deste ano, depois de muitos meses de um processo de desestabilização sustentado por uma escalada de violência, incentivada pelo imperialismo estadunidense e pela União Europeia.

Tropas militares da Otan no Afeganistão

Não bastasse o golpe, a Otan faz ameaças constantes de intervir diretamente nos acontecimentos recentes, inclusive com deslocamento de tropas militares para a fronteira com a Rússia e o envio de milhares de soldados e equipamentos a vários países da vizinhança. 

A Otan, os EUA e a União Europeia instrumentalizaram forças fascistas de extrema-direita para aprofundar as tensões desde o ano passado e tentaram vender ao mundo a ideia de que se tratava de uma insurreição democrática e popular, de uma luta para fazer valer a democracia contra a “tirania de Moscou”, afirmou José Reinaldo. “Mas esta propaganda se contradiz com o fato de que eles instrumentalizaram, na Ucrânia, não forças democráticas, mas forças fascistas, herdeiras do antigo Nazi-Fascismo que atuou na Alemanha e nos países do Leste Europeu durante a Segunda Guerra Mundial”, apontou. 

Para o Cebrapaz, continuou José Reinaldo, neste processo se nota a mão agressiva da Otan e esta é mais uma forte razão para justificar a bandeira de luta pela dissolução de uma organização militar ofensiva.

 

Com informações do Portal Vermelho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s