Em Moscou, Conselho Mundial da Paz homenageia vitória dos povos contra nazi-fascismo e aborda desafios atuais

A presidenta do Conselho Mundial da Paz (CMP) e do Cebrapaz, Socorro Gomes, e outros cinco representantes do CMP participam do Encontro entre Organizações Internacionais Democráticas, que comemora o 70º aniversário da vitória dos povos contra o nazi-fascismo na capital russa, Moscou. Nesta quinta-feira (7), ela participa da mesa-redonda “1945-2015: Anos de Luta, Novos Desafios”. O evento é organizado pela bancada parlamentar do Partido Comunista da Federação Russa e pela Federação da Paz de Moscou, amiga do CMP.

Soldados do Exército Vermelho depõem as bandeiras nazistas durante o desfile do Dia da Vitória, em 1945, em Moscou.

O programa do Encontro aborda as consequências da Segunda Guerra Mundial e a vigorosa resistência dos povos contra o avanço Nazifascista, refletidos ainda na atualidade, quando se faz premente o fortalecimento e a unidade popular internacional na luta anti-imperialista. Participam do evento como representantes do Conselho Mundial da Paz (CMP) a presidenta, Socorro Gomes; Athanasios Pafilis, secretário-geral, da Grécia; Alfred Marder vice-presidente e presidente do Conselho da Paz dos EUA; Henry Levandovsky, também do Conselho da Paz dos EUA; Pallab Segupta, da Organização Toda-Índia de Paz e Solidariedade (Aipso); Filipe Ferreira, do Conselho Português pela Paz e Cooperação (CPPC); e Christopher Matlhako, do Conselho da Paz da África do Sul. 

O tema é central para o Conselho Mundial da Paz, que nasceu precisamente no bojo dos movimentos de resistência, no pós-guerra, com o compromisso de fazer avançar a luta dos povos pela paz, por justiça social, contra as guerras, o colonialismo e o imperialismo. Neste ano, em que o CMP também comemora seu 65º aniversário, a importância da trajetória histórica de resistência determinada contra os avanços das grandes potências contra os povos de todo o mundo é enfatizada em eventos como o que ocorre em Moscou. Outras organizações internacionais participaram: Federação Mundial de Centrais Sindicais, Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM),  Associação Internacional de Advogados Democráticos, Federação Mundial da Juventude Democrática (FMJD) e Federação Internacional de Resistência. 

Apontando para o papel central desempenhado pelo Exército Vermelho soviético na derrota contra o Nazi-Fascismo, Socorro Gomes sublinhou, em sua intervenção, a disseminação da resistência popular contra o retrocesso civilizacional imposto pelas forças alemãs, italianas e japonesas, em episódios que mancharam a história da Humanidade, mas também mostraram o competência da luta dos povos contra a dominação. Socorro recordou as mais de 50 milhões de vítimas da Segunda Guerra Mundial e a devastação provocada pelo grande conflito, enfatizando:

“Os povos da União Soviética pagaram um terrível preço, com a vida de 27 milhões de pessoas e a insólita destruição de milhares de cidades, povoados, lares e fábricas. Inclinamos nossas bandeiras ante o sacrifício dos povos, aos mártires civis e militares que perderam suas vidas, muitos deles vítimas de inomináveis crimes, na luta para libertar a humanidade do nazi-fascismo, defender as liberdades democráticas, os direitos sociais, a soberania nacional e reconquistar a paz.”

A presidenta do CMP fez menção às resistências entre as amplas camadas da população, organizações sociais e partidos políticos, nos diversos países europeus ocupados ou ameaçados pelo avanço nazifascista e também da Ásia, contra a agressiva ação do Japão imperialista. Neste sentido, sublinhou a importância do episódio histórico – a vitória dos povos contra o nazi-fascismo – para a atual luta internacional contra o imperialismo e as novas ameaças de guerra que se espalham pelo mundo. Socorro ressaltou o papel dos Estados Unidos como a potência imperialista representativa desta ameaça, junto com instrumentos de guerra como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e aliados como Israel, que apresentam especial risco ao Leste Europeu e ao Oriente Médio.

A dissolução da Otan e a abolição das bases militares espalhadas pelo mundo pelos Estados Unidos, o fim das intervenções e agressões imperialistas contra povos inteiros e a reforma das instituições mundiais, criadas para a garantia mínima do direito internacional, também foram levantadas por Socorro como bandeiras centrais e atuais do movimento internacional pela paz. Por isso, durante o evento, as diversas organizações reúnem-se para debater ações e a unidade em torno dos objetivos da paz e do anti-imperialismo, com o respeito à soberania dos povos e à liberdade contra a dominação.

Leia também:
Conselho Mundial da Paz integra marcha de movimentos sociais e do Partido Comunista russo no Dia da Vitória

A seguir, os discurso de Socorro Gomes e do secretário-geral do CMP, Athanasios Pafilis:

A vitória sobre o nazi-fascismo:
Glorioso acontecimento na história da humanidade

O Conselho Mundial da Paz sente-se honrado de participar neste evento para celebrar o 70º aniversário de um dos acontecimentos mais gloriosos da história da Humanidade – a vitória dos povos sobre o nazi-fascismo, uma conquista das forças da paz, da democracia, da solidariedade e do progresso social.

A Segunda Guerra Mundial foi uma tragédia que custou a vida a mais de 50 milhões de pessoas e devastou principalmente a Europa, causando a destruição da infraestrutura e dos lares e impondo horrendas consequências à população.

Inclinamos nossas bandeiras ante o sacrifício dos povos, aos mártires civis e militares que perderam suas vidas, muitos deles vítimas de inomináveis crimes, na luta para libertar a humanidade do nazi-fascismo, defender as liberdades democráticas, os direitos sociais, a soberania nacional e reconquistar a paz.

Os povos da União Soviética pagaram um terrível preço, com a vida de 27 milhões de pessoas e a insólita destruição de milhares de cidades, povoados, lares e fábricas.

As vitórias do Exército Vermelho nas históricas batalhas de Moscou, Stalingrado, Kursk e Berlim permanecerão indelevelmente marcadas na memória da humanidade, como o tributo dos povos soviéticos para a causa da libertação.

A vitória sobre o nazi-fascismo foi fruto das heroicas ações nos campos de batalha e da união dos povos e das forças democráticas no âmbito de cada país, além da ação de uma grande aliança internacional, de que fizeram parte a União Soviética, o Reino Unido e os Estados Unidos.

Um poderoso fator para a vitória foi o combate dos povos dos países ocupados pelo fascismo, que organizaram a luta guerrilheira e a resistência entre as amplas camadas da população, organizações sociais e partidos políticos. No continente europeu, as resistências populares italiana, francesa, albanesa, belga, grega, holandesa, húngara, norueguesa, iugoslava, romena, polonesa, dinamarquesa, austríaca, tcheca, britânica e mais de uma dezena de movimentos alemães antinazistas foram resolutas no enfrentamento às invasões e às ocupações dos seus países.

No restante do mundo, os povos também se levantaram contra a brutal ofensiva alemã, italiana e japonesa. Foi o caso dos movimentos de resistência na Ásia – na China, Índia, Coreia, Malásia, Tailândia, Vietnã, Cingapura, Filipinas, e dos movimentos japoneses de oposição à guerra. Entre os latino-americanos, foi intensa a luta antifascista e a mobilização de forças para se incorporarem ao esforço de guerra dos aliados alcançou êxito em diferentes países.

A vitória foi, assim, a expressão e o resultado da fraternidade internacionalista entre os povos, na busca pela liberdade, a democracia, a independência e a justiça.

A Segunda Guerra Mundial eclodiu como um confronto entre as grandes potências capitalistas, tendo sido provocada pelos países mais agressivos – a Alemanha nazista, a Itália fascista e o Japão.

O grande conflito foi o resultado do desenvolvimento desigual no mundo capitalista. A luta por mercados e fontes de matérias primas era o pano de fundo que empurrava as potências capitalistas à guerra por uma nova divisão do mundo por meio da violência.

Tendo sua origem nas contradições entre países imperialistas, a Segunda Guerra Mundial foi gradualmente mudando de caráter. Os povos dos países ocupados, principalmente a partir da agressão nazista à União Soviética, ergueram-se na resistência popular-nacional antifascista, passando a realizar uma justa luta democrática e de libertação nacional.

Os próprios Estados capitalistas, a partir do desencadeamento da guerra, viram-se confrontados com uma ameaça à sua própria soberania nacional, o que criou condições para a formação de um amplo e poderoso movimento patriótico e antifascista.

Revoluções democráticas, populares e de libertação nacional foram vitoriosas. O caráter libertador da luta antifascista dos povos, o papel decisivo da União Soviética e das massas trabalhadoras e populares na vitória e a derrocada do fascismo deram impulso aos movimentos democráticos e socialistas em todo o mundo. Debilitou-se o sistema colonialista. Tudo isso acarretou uma nova correlação de forças favorável ao avanço das lutas pela paz. As forças da democracia, da paz e do progresso social saíram fortalecidas, acarretando importantes transformações geopolíticas.

Neste quadro, o imperialismo estadunidense inicia uma contraofensiva para assegurar posições hegemônicas e ordenar o sistema internacional segundo seus próprios interesses. O lançamento das bombas atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki pela aviação estadunidense foi o ato inaugural da nova ordem que os Estados Unidos pretendiam impor.

Desde o final da Segunda Guerra Mundial até os nossos dias, o imperialismo estadunidense seguiu uma política e praticou ações contrárias aos interesses dos povos, da democracia, da independência nacional e da paz mundial. Foi esse imperialismo que desencadeou as agressões contra a Coreia, o Vietnã e demais países da Indochina, no Oriente Médio, na África, e fomentou golpes militares na América Latina. Foi também esse imperialismo que mais tarde, a partir do final do século 20 e início do século 21, agrediu e destruiu a Iugoslávia, fez duas guerras contra o Iraque, invadiu o Afeganistão, destruiu a Líbia e confirmou sua condição de potência corresponsável pelo martírio do povo palestino ao apoiar a ocupação sionista israelense.

Desde o fim do conflito, o imperialismo estadunidense fomentou a corrida armamentista, intensificou a produção de armas nucleares, espalhou bases militares em todos os continentes, promoveu intervenções de diferentes tipos, numa constante ameaça à paz mundial e à segurança internacional.

Este imperialismo cravou as suas garras em todos os continentes, saqueou as riquezas nacionais dos povos, impôs seu modelo econômico e políticas escravizadoras e neocolonialistas. Organizou sua política externa com o objetivo de desestabilizar os países socialistas e anti-imperialistas, concentrou suas energias no cerco e destruição da União Soviética durante o período da chamada Guerra Fria.

Um dos principais aspectos da ação imperialista é a militarização, que cobrou impulso a partir da criação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em abril de 1949, originalmente com a participação dos Estados Unidos, Reino Unido, França, Bélgica, Holanda, Luxemburgo, Portugal, Dinamarca, Noruega, Islândia e Itália, ampliando-se logo em seguida, em 1952, com a presença da Turquia, Grécia e República Federal da Alemanha.

A organização tem hoje 28 Estados membros da América do Norte e da Europa. Outros 22 países estão engajados no chamado Conselho de Parceria Euro-Atlântico. Ao seu lado, outros 19 países estão ligados à Otan através de programas como o “Diálogo do Mediterrâneo”, a “Iniciativa de Cooperação de Istambul” ou a “Parceria para a Paz”.

Desde 1991, a Otan expandiu o quadro de membros e o teatro de operações, o que por si só revela o seu objetivo fundamental de ser uma ferramenta primordial na dominação imperialista ocidental sobre o planeta, uma inimiga da paz, comprometida com as doutrinas do primeiro ataque e dos ataques preventivos. Como uma aliança militar ofensiva, a Otan está sempre pronta para intervir antes mesmo de a diplomacia ter sua chance, caso ela seja de interesse das potências imperialistas. O agigantamento da Otan, que a torna mais poderosa, agressiva e intervencionista – como a atual crise na Ucrânia demonstra – constituem um fator ponderável para aumentar a instabilidade, as turbulências e o perigo de guerra.

No momento em que comemoramos o 70º aniversário da vitória sobre o nazi-fascismo, o mundo enfrenta novos perigos, as intervenções militares se repetem, a paz é ameaçada, e o fascismo volta a se apresentar com novas e velhas roupagens. Mais do que nunca, impõe-se extrair as lições da experiência histórica e adquirir elementos de convicção para unir as forças democráticas e progressistas a fim de impedir que ocorram novas tragédias. Os fatos evidenciam o caráter desestabilizador e potencialmente destrutivo das políticas agressivas dos EUA e seus aliados na Otan. Tendo fracassado na criação de um ambiente de hostilidade no passado recente, como foi o caso do conflito na Geórgia, os EUA coordenam agora as forças reacionárias e fascistas para tentar cercar a Rússia, a exemplo da crise instalada na Ucrânia. Mais uma vez, os povos pagam o preço: o sofrimento infringido aos civis ainda é inestimável e a turbulência no leste europeu traz grande retrocesso à construção da paz na região, com a reinstalação das forças fascistas, a soldo do imperialismo.

O mundo de hoje é cenário de uma situação instável e crítica. As grandes conquistas democráticas do período do imediato pós-guerra, a independência nacional, os valores civilizacionais sofreram brutal retrocesso a partir da década de 90 do século passado, quando o traço principal da situação passou a ser uma intensa e abrangente ofensiva do imperialismo estadunidense e seus aliados para assegurar posições de domínio no mundo.

Para além das políticas intervencionistas e militaristas, fazem parte dessa ofensiva o ataque aos direitos dos trabalhadores e povos como “saída” da crise do capitalismo, os golpes na democracia, o racismo, a xenofobia, a falsificação da história.

Num quadro internacional em mutação, está em jogo uma nova divisão do mundo, o saque das riquezas nacionais, a ocupação de territórios, a implantação de uma ordem imperial que além de ter globalizado a economia e padronizado os comportamentos, pretende uniformizar os regimes políticos, a vida cultural, a ideologia reacionária como pensamento único.

Malgrado a retirada das tropas estadunidenses e da Otan do Iraque e outras recentes flexões táticas na política externa norte-americana, a humanidade continua confrontada por uma feroz investida do imperialismo estadunidense para impor sua vontade no mundo, o que faz crescer o intervencionismo, as ameaças e as agressões.

O direito internacional e as instituições criadas para assegurar o exercício de relações internacionais equilibradas não subsistem como tais, em decorrência da instrumentalização pelos interesses de potências hegemônicas. A Organização das Nações Unidas, criada para promover a coexistência pacífica entre nações soberanas, assegurar o equilíbrio no mundo, garantir a aplicação das normas do Direito Internacional, dirimir os conflitos internacionais e promover a paz mundial, atua sob pressão das potências imperialistas que cada vez mais impõem o seu ditame no mundo pela força.

A política hegemonista do imperialismo destrói países, devasta nações antes prósperas, derruba governos legítimos, assassina presidentes eleitos, substitui o diálogo pela força implantando o terror, sob o pretexto de combater o terrorismo, com a finalidade de garantir seus desígnios de domínio e saque. Esta política é a principal ameaça à paz e é o principal fator da instabilidade, dos desequilíbrios e das crises políticas, diplomáticas e militares no mundo.

Por outro lado, é preciso reconhecer importantes transformações na situação internacional, em que se fortalecem profundas demandas emancipatórias que colocam em questão a política dominante e a desigual distribuição do poder. Embora os EUA ainda detenham a maior força econômica e militar, assim como a maior influência política, há elementos na situação que fazem crer que se trata de uma potência em declínio, que já não pode fazer o que quer, pois se confronta com a resistência dos povos e de nações que defendem a paz.

Também notamos o surgimento de novos polos de poder político, econômico e militar, cuja expressão maior é a ascensão vertiginosa da China, o fortalecimento do poder nacional da Rússia, depois de um momento de desagregação e de crise econômico-financeira, e a emergência de uma América Latina fortalecida por posições democráticas e independentistas.

No processo emancipatório, verificamos o agravamento dos conflitos sociais, das contradições entre os países da África, Ásia e América Latina e a dominação imperialista. Estão em curso lutas de variados tipos e intensidades, nos mais diversificados cenários, revelando as potencialidades dos povos e das forças da paz, que se insurgem contra a opressão, o intervencionismo, o militarismo e o belicismo.

No curso dessas lutas, emerge e fortalece-se a solidariedade internacional e a unidade em torno de reivindicações de interesse comum pelo fim das bases militares estrangeiras em países soberanos, pela abolição das armas de destruição em massa, pela dissolução da Otan, pela democratização das relações internacionais com o resgate dos preceitos da carta da ONU, pela autodeterminação dos povos e a solução pacífica dos conflitos internacionais, pelo fim das políticas intervencionistas e das guerras de agressão.

O Conselho Mundial da Paz, fundado no imediato pós-guerra para conjurar o perigo de nova catástrofe de proporções ainda maiores, com a ameaça do conflito nuclear, ao fazer essas reflexões sobre o passado e o presente, invoca o heroísmo dos povos e da resistência antifascista nas suas lutas atuais e na renovação do seu compromisso pela paz a libertação da humanidade.

Muito obrigada,

Socorro Gomes
Presidenta do Conselho Mundial da Paz
Moscou, 07 de maio de 2015

—————————————————————————————————————-

Discurso do secretário-geral do CMP, Athanasios Pafilis:

Em nome do Conselho Mundial da Paz e do Comitê Grego para a Dissuasão Internacional e a Paz, eu gostaria de agradecer o Partido Comunista da Federação Russa pelo convite para os eventos sobre o 70º Aniversário da Vitória Antifascista. Um convite que nos honra. Estamos comovidos por estar em Moscou, capital da grande União Soviética que sustentou todo o fardo da guerra, que fez uma contribuição decisiva com custos humanos e materiais enormes. 

O 1º de maio de 1945, dia em que a bandeira vermelha, estandarte do primeiro Estado socialista, a União Soviética, foi triunfalmente levantada no Reichstag pelo Exército Vermelho, ficará para a história como uma das páginas mais iluminadas da história dos povos. 

Homenageamos todos os que deram suas vidas ou ficaram incapacitados nos campos de batalha e na resistência subterrânea para aplastar o monstro fascista, criado pelo capitalismo, e os partidos comunistas de todo o mundo, que lideraram as lutas por libertação nacional.

A todos aqueles que lutaram com armas ou panfletos em suas mãos, mantiveram a posição heroica nos calabouços e diante de pelotões de fuzilamento. Aos inúmeros que morreram de fome, das quais as principais vítimas foram as crianças. Aos milhões torturados nos terríveis campos de concentração e morte, e em todos os lugares onde horrores indizíveis foram cometidos, onde a exploração do homem pelo homem atingiu o fundo do poço, com a absoluta degradação da existência humana.

É muito importante para os trabalhadores, os povos e especialmente a juventude buscar a verdade, os fatos reais e causas que culminaram em guerras globais e locais, no alçar e prevalescimento do nazifascismo em certos países.

Particularmente depois de 1990, testemunhamos um esforço enorme, liderado pela União Europeia e as forças que sustentam o sistema capitalista, para falsificar a verdade histórica. Estão tentando, através da distorção e falsificação, transformar uma verdade histórica no seu oposto, escondendo o fato de que o fascismo é a criação do capitalismo.

Estão tentando esconder a enorme e decisiva contribuição da União Soviética, igualando as vítimas aos seus algozes, identificar a mais reacionária, desumana e espantosa teoria do fascismo à mais humana e progressista teoria do comunismo. 

Após a derrubada do socialismo na União Soviética e nos países da Europa Central e do Leste, a UE intensificou sua campanha anticomunista, como uma parte integral da exoneração do fascismo, apoiando forças reacionárias. Aqui estão alguns fatos característicos:

– A classificação das Waffen SS como forças de resistência, oferecendo-lhes pensões na Letônia e outros países bálticos, com a perseguição a antifascistas e a destruição de memoriais à Vitória Antifascista.

– Nos eventos de 2006, para marcar o 50º aniversário da tentativa de contrarrevolução na Hungria, organizado e financiado pela UE, um general húngaro do 3º Reich recebeu a principal responsabilidade.

– A decisão da UE de renomear o 9 de maio, dia da vitória antifascista dos povos, para “Dia da Europa”.

– Dezenas de moções e decisões da Comissão e do Parlamento Europeu na ocasião de vários aniversários, para igualar comunismo ao fascismo.

– Campanhas multifacetadas da UE realizadas por diferentes aparatos:

>Difamação do socialismo que conhecemos e as conquistas dos povos que o construíram;

>Criminalização de partidos comunistas e seus símbolos. Hoje os comunistas já enfrentam proibições e restrições em vários países da UE, nos Bálcãs, na Polônia, Hungria, Romênia e recentemente na Ucrânia;

>Tentativa de criminalizar forças que refutam e denunciam as mentiras sobre os “crimes do comunismo”;

>Financiamento de ONGs, filmes e outras formas de propaganda integradas à campanha anticomunista;

>Promoção da distorção da história e da difamação do socialismo em programas de educação oficiais, nas salas de aula;

O Conselho da Europa fez uma importante contribuição a essas tentativas ao promover seu “Memorando Anticomunista”, intitulado “Sobre a necessidade de condenação internacional dos crimes dos regimes totalitários”, enquanto em 2 de abril de 2009 o Parlamento Europeu acompanhou-o adotando uma resolução que estabelecia o 23 de agosto como o “Dia Europeu pela Memória das Vítimas de todos os Regimes Totalitários e Autoritários”.

O conhecimento da verdade histórica e das suas lições são excepcionalmente relevantes devido à dramática situação formada aos povos pela temporária dominação do imperialismo. Sublinhamos dois aspectos:

– O fascismo surge dos intestinos do sistema capitalista. É uma forma de os monopólios exercitarem o poder. Como o grande intelectual comunista [Bertolt] Brecht escreveu: “Nos países fascistas o capitalismo só sobrevive enquanto fascismo, e o fascismo só pode resistir como capitalismo, como a forma mais desnudada, descarada, ofensiva e enganosa do capitalismo. Como alguém se propõe a dizer a verdade sobre o fascismo, ao qual ele se opõe, se não se propuser a falar contra o capitalismo, que o produz? Como esta verdade terá importância prática?” É muito importante, em termos práticos, que os povos lutem contra o fascismo de forma direcionada contra os monopólios e a exploração capitalista, para que possam ter perspectiva.

– Tanto a Primeira quanto a Segunda Guerra Mundial foram resultados de uma grande intensificação das contradições imperialistas e da luta pela redivisão do mundo. Essas contradições foram exacerbadas pela existência da União Soviética e pela crise global do capitalismo. Esta é a verdade.

Os povos em todo o mundo e em nossa região em particular estão experimentando as consequências trágicas da barbárie capitalista. A recente crise econômica aprofundou a competição e as contradições entre os Estados capitalistas e suas várias alianças imperialistas, que estão se tornando cada vez mais agressivas contra os povos, para reforçar suas posições geopolíticas, para a divisão de mercados, o controle dos recursos energéticos e das rotas de transporte. A intensificação das contradições e as escaladas intervenções imperialistas e guerras na Ucrânia, no Oriente Médio, no Norte da África, nos Bálcãs e outros estão desenhando anda mais intensamente a ameaça de uma guerra imperialista generalizada em nossa região expandida e em todo o mundo. 

A luta contra a guerra, a luta pela paz precisa mais do que nunca ligar-se à luta contra o sistema imperialista, com a luta pela derrubada do sistema exploratório que da vazão à guerra. O povo não pode encontrar uma saída escolhendo um ou outro pólo imperialista, mas construindo a grande aliança anticapitalista a nível nacional e internacional, que colocará um fim na barbaridade do capitalismo, às crises, exploração, pobreza, desemprego e opressão.

Vida longa ao 70º aniversário da Vitória Antifascista dos Povos!

Athanasios Pafilis
Secretário-geral do Conselho Mundial da Paz
Moscou, 07 de maio de 2015

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s