Cebrapaz endossa manifesto contra negócios militares entre Brasil e Israel

Não à cumplicidade com o apartheid israelense!

Entre 14 de 17 de abril, no Rio de Janeiro, cerca de 25 empresas israelenses cúmplices da ocupação e apartheid na Palestina estiveram entre as expositoras da Laad (Latin America Aerospace and Defence), chamada pelos movimentos sociais como “feira da morte”. O Brasil se converteu num dos cinco maiores importadores das chamadas tecnologias de defesa e segurança de Israel nos últimos anos e tem sido utilizado como um mercado bilionário pela potência ocupante. A Laad é uma grande oportunidade de se expandirem ainda mais os lucros com o apartheid israelense e uma afronta aos direitos humanos.

A patrocinadora oficial da Laad é a Embraer (Empresa Brasileira de Aeronáutica), que mantém contratos com a israelense Elbit Systems, uma das expositoras da feira que atua na área de tecnologia militar, construindo os Vants (veículos aéreos não tripulados) que foram utilizados nos recentes ataques a Gaza. No Brasil há mais de 15 anos, a Elbit se faz presente por meio das empresas AEL Sistemas, Periscópio Equipamentos Optrônicos S/A e Ares Aeroespacial. A AEL, uma das subsidiárias participantes da Laad, anuncia em seu site a oferta de “soluções baseadas em tecnologias militares comprovadas em campo”. Em outras palavras, testadas sobre os verdadeiros laboratórios humanos em que se converteram os palestinos.

A Elbit é uma das 12 companhias envolvidas na construção do muro do apartheid, na Cisjordânia, na Palestina ocupada. Em outubro de 2012, na Assembleia Geral das Nações Unidas, o relator especial Richard Falk chamou ao boicote a essa empresa. Em 2014, o movimento BDS Brasil (boicotes, desinvestimento e sanções) obteve importante vitória, impedindo a expansão de sua presença no País e que a capital gaúcha se tornasse o polo de pesquisa militar israelense mais importante no exterior.
Outra expositora da Laad e fornecedora das Forças Armadas Brasileiras é a Israel Aircraft Industries, que produz equipamentos para as forças de ocupação, o muro do apartheid e os assentamentos ilegais. No Brasil, formou uma joint venture denominada EAE Soluções Aeroespaciais com o Grupo Sinergy e sua subsidiária, a Bedek. Utiliza os centros de produção e manutenção da TAP M&E Brasil nos aeroportos do Rio de Janeiro e de Porto Alegre.

De olho sobretudo nas Olímpiadas de 2016, a se realizarem no Brasil, tem sido comum o intercâmbio de delegações entre este país e Israel. O Comitê Olímpico Internacional já possui contrato de patrocínio com a israelense ISDS (International Security and Defense Systems), e as organizações que integram o BDS Brasil estão engajadas em campanha pelo fim desse contrato e se opõem a possíveis outras interações entre a ISDS, o Comitê e entidades governamentais. Negócios como esses negócios sempre são facilitados pela Laad – um dos mais importantes eventos do setor na América Latina.

As organizações da sociedade civil brasileira que integram a Frente em Defesa do Povo Palestino-SP e a campanha BDS Brasil repudiam a realização da “feira da morte” e a presença no Brasil de empresas cúmplices do apartheid e ocupação a que estão submetidos os palestinos. Exigimos a ruptura imediata de acordos e negócios militares com Israel, os quais violam as obrigações legais internacionais do Brasil.

BDS BRASIL
Frente em Defesa do Povo Palestino-SP
Comitê Brasileiro de Defesa dos Direitos do Povo Palestino
Comitê de Solidariedade à Luta do Povo Palestino RJ
Comitê de Solidariedade ao Povo Palestino do ABCDMRR/SP
Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino
Comitês da Palestina Democrática
Comitê de Solidariedade à Palestina – Bahia
Federação Árabe Palestino-Brasileira (Fepal)
Central Única dos Trabalhadores (CUT Brasil)
Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas)
Intersindical – Central da Classe Trabalhadora
Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz)
Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada
Associação Islâmica de São Paulo (Assisp)
Movimento Mulheres em Luta
Assembleia Nacional dos Estudantes Livre (Anel)
Kairós Palestina Brasil
Quilombo Raça e Classe
Movimento Hip Hop Militante “Quilombo Brasil”
Movimento Hip Hop do Maranhão “Quilombo Urbano”
Soweto Organização Negra
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Via Campesina Brasil
Campanha Free Ahmad Sa’adat Brasil
Núcleo de Estudos Gamal Abdel Nasser – NESNASSER do Centro Universitário Fundação Santo André/SP
Portal Desacato.info
Cooperativa de Produção em Comunicação e Cultura (CpCC)
Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de São Paulo (USP)
ONG Vida Brasil
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU)
Partido Comunista Brasileiro (PCB)
Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)
Vereador em Belém/PA Cleber Rabelo (PSTU)
Vereador em Campinas/SP, professor Paulo Bufalo (PSOL)
Vereadora em Natal Amanda Gurgel (PSTU)
Deputado estadual Carlos Giannazzi (PSOL-SP)
Deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL-PA)
Deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP)
Herbert Claros, membro eleito pelos trabalhadores no Conselho de Administração da Embraer

BDS Colômbia
BDS Argentina
Cátedra Eduard W. Said de Estudios Palestinos – UBA
Patria Grande, Argentina
Lista Violeta en AGD-UBA Conducción de CD-FFyL-UBA
Gabriel F. López. Profesor UBA e Instituto Joaquín V. González
IJAN Argentina (International Jewish Anti-Zionist Network);
Red Internacional Judía Antisionista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s