Países garantidores pedem que governo e ELN retomem diálogos pela paz na Colômbia

Os países garantidores Brasil, Chile, Cuba, Equador, Noruega e Venezuela pediram nesta quinta-feira (11) mediante um comunicado oficial, que as partes envolvidas nas conversações pelo processo de paz da Colômbia retomem a mesa de diálogos. De acordo com o documento, diante do impasse produzido na quarta-feira (10), no início do 5º ciclo de diálogo, os garantidores afirmam que as partes expressaram sua vontade de superar este momento e continuar as conversações que conduzam a um acordo.

“A Colômbia merece a paz ansiada por seu povo, a região e a comunidade internacional. Solicitamos que as duas partes iniciem o 5º ciclo com a urgência que a situação merece”, diz a nota.

Igualmente, as nações garantidoras conclamaram que nesse 5º ciclo se assuma como prioridade a negociação de um novo cessar-fogo, como um dos temas da agenda.

Cuba, Noruega, Brasil, Venezuela, Chile e Equador também chamaram as partes a evitar uma escalada que ponha em perigo os avanços obtidos no processo de negociação e no anterior cessar-fogo.

“Reiteramos o apoio dos países garantidores ao processo de paz na Colômbia até chegar a uma paz completa e duradoura”, conclui o comunicado.

Em meio a esta crise, o chefe da equipe negociadora por parte do governo, Gustavo Bell, anunciou na quinta-feira que está disposto a negociar um novo cessar-fogo com o Exército de Libertação Nacional (ELN). Ele deu esta informação depois de se reunir com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, em Bogotá.

Em várias intervenções nos últimos dias, o ELN pediu, por sua parte, para manter as negociações, e também tornou pública sua vontade de chegar a um acordo na mesa de diálogo para o estabelecimento de um novo cessar-fogo que supere as dificuldades do anterior.

Fonte: Resistência, com Prensa Latina