Socorro Gomes: Em solidariedade ao povo saaráui, condenamos a repressão marroquina que vitimou uma jovem e feriu vários manifestantes

IMG-20190722-WA0002Recebemos com grande consternação e revolta a notícia da morte da jovem saaráui Sabah Othman Ahmeida (Injourni), de 24 anos de idade, que foi atropelada por um carro da polícia marroquina durante a repressão brutal de um protesto na capital do Saara Ocidental ocupado, El Aaiun, em 20 de julho.

Relatos e imagens chocantes da repressão com que estes protestos foram respondidos pelas autoridades marroquinas incluem o uso de munição letal, espancamento e o atropelamento, como o que vitimou Sabah. Além disso, saaráuis contam que a jovem não recebeu atendimento médico urgente e apenas algum tempo após o ocorrido foi levada ao hospital onde morreu.

A violação dos direitos humanos dos saaráuis sob ocupação marroquina é reiteradamente denunciada, sem efeito, pelo povo saaráui e por organizações solidárias de todo o mundo. Essa violação começa pela não implementação do seu direito à autodeterminação, para que decida livremente sobre o seu destino político.

O território e seu povo estão há décadas pendentes de descolonização pela Espanha e foi ocupado pelo Marrocos ainda em 1975. A Missão das Nações Unidas para o Referendo no Saara Ocidental (MINURSO) está no terreno desde 1991 e até hoje não pôde cumprir o seu papel de realizar a consulta pela autodeterminação do povo saaráui. Além disso, tem sido impedida, principalmente pela França, aliada do Marrocos, de incluir em seu mandato o monitoramento da situação dos direitos humanos dos saaráuis, apesar dos apelos reiterados do povo, seus líderes e entidades solidárias internacionais.

Os saaráuis continuam lutando pelo cumprimento da promessa de autodeterminação sob a brutal ocupação e colonização marroquina, no refúgio no deserto argelino, ou no exílio.

Por isso, o Conselho Mundial da Paz, organização anticolonialista e solidária aos povos em luta contra a dominação, condena nos mais firmes termos a violação dos direitos humanos que é quotidiana em território ocupado. Apelamos à ação urgente pela proteção dos saaráuis e somamo-nos às inúmeras entidades em firme solidariedade ao povo saaráui em justa luta pela libertação do seu país, exigindo a realização do referendo, já!

Socorro Gomes
Presidenta do Conselho Mundial da Paz