Conselho Mundial da Paz divulga resoluções e plano de ação adotados em reunião no Laos

O Conselho Mundial da Paz (CMP) divulgou neste domingo (15) o plano de ação e as resoluções de solidariedade adotadas por seu Secretariado, reunido no Laos em 25 e 26 de novembro. A entidade, de que o Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ) é membro, busca reforçar e ampliar a luta anti-imperialista com ações planejadas para o próximo período. Veja abaixo.

Delegados de 11 países entre as 13 entidades no Secretariado do CMP participaram, além de outras entidades que não integram o órgão, mas estavam na capital laociana para a Reunião da Região Ásia-Pacífico do CMP.

O plano de ação e as resoluções foram adotadas após a discussão dos atuais desafios das forças democráticas, anti-imperialistas e da paz, com relatórios apresentados pelos coordenadores regionais do CMP (África, América, Ásia-Pacífico, Europa e Oriente Médio) e por aqueles que realizaram ações do CMP na Organização Nações Unidas (ONU) em Nova York e em Genebra. O CMP tem o status consultivo que o permite participar de diversos eventos e iniciativas da ONU.

O Secretariado decidiu pela realização da reunião do Comitê Executivo, órgão mais alargado, com 40 entidades, no Chipre, em 30 e 31 de março de 2020, onde se definirá, inclusive, a realização da próxima Assembleia Mundial da Paz. Preliminarmente, os participantes acolheram a proposta de reunião do mais alto órgão da entidade no Vietnã, no início de 2021. Veja a seguir o plano de ação e as resoluções adotados e leia aqui o discurso já divulgado da presidenta do CMP, Socorro Gomes.

Plano de Ação

No plano de ação adotado pelo Secretariado estão as seguintes atividades e iniciativas:

  • Apoiar e participar no protesto contra a Organização do Atlântico Norte (OTAN) em Londres, por ocasião da sua cúpula e seu 70º aniversário, em 3 e 4 de dezembro de 2019, no âmbito da campanha do CMP “Sim à Paz! Não à OTAN!”
  • Celebrar o centenário de nascimento do líder histórico do CMP, Romesh Chandra, em janeiro de 2020, em Jaipur, Índia, sob a organização da entidade indiana membro do CMP, a Organização Toda-Índia de Paz e Solidariedade (AIPSO)
  • Apoiar a Conferência Internacional pela Paz, a Amizade e a Cooperação a se realizar em 27-28 de fevereiro de 2020 em Catmandu, organizada pelo Conselho da Paz e Solidariedade do Nepal (NPSC)
  • Organizar, em coordenação com a Coalizão Estadunidense contra Bases Militares dos EUA no exterior, a Conferência Internacional do Chipre contra o Imperialismo, em 28 e 29 de março de 2020 em Larnaca, Chipre, acolhida pelo Conselho da Paz do Chipre (para mais informações, visite a página do evento)
  • Realizar a reunião do Comitê Executivo do CMP no Chipre, em 30 e 31 de março de 2020
  • Apoiar a Conferência Internacional sobre os Desafios da Proclamação da América Latina e Caribe como Zona de Paz, em Havana, Cuba, de 27 a 29 de abril de 2020, organizada pelo Movimento Cubano pela Soberania dos Povos e a Paz (MOVPAZ)
  • Realizar a Reunião Regional Africana em Joanesburgo, África do Sul, em maio de 2020
  • Respaldar o evento de celebração do 47º aniversário da atribuição do prêmio do CMP Juliot Currie a Bangabandu Sheikh Mujibur Rahman [líder da luta contra o Paquistão pela independência do Bangladesh e o primeiro presidente do país] em 23 de maio de 2020
  • Comemorar o 70º aniversário do CMP (em relação à Conferência de Varsóvia de 1950) em Dhaka, Bangladesh, acolhido pelo Conselho da Paz do Bangladesh, em 24 e 25 de maio de 2020
  • Explorar a possibilidade, em coordenação com o Comitê da Paz do Japão (CPJ), de se realizar um evento do CMP/CPJ em Hiroxima, durante os eventos dos 75 anos dos bombardeios de Hiroxima e Nagasaki
  • Realizar uma Reunião Regional Europeia do CMP em Lisboa, Portugal, em outubro ou novembro de 2020
  • Explorar a possibilidade de realizar uma missão internacional de solidariedade à Palestina

Além disso, o CMP deve considerar e marcar as seguintes questões e aniversários:

  • Marcar o 70º aniversário do Apelo de Estocolmo (março de 1950)
  • O Dia de Ação Global em Solidariedade com o Povo da Venezuela em 19 de abril de 2020
  • O 75º aniversário da Vitória Antifascista dos Povos em 9 de maio de 2020
  • Celebrar o 75º aniversário da Carta de Fundação da ONU (26 de junho de 1945)
  • O 6 e 9 de agosto como Dias de Hiroxima/Nagasaki e disseminar a demanda pela abolição completa de todas as armas nucleares e o encerramento de todas as bases militares estrangeiras
  • Marcar o Dia Internacional de Solidariedade com as Vítimas do Agente Laranja (10 de agosto)

Resoluções de solidariedade

O Secretariado do CMP também adotou as seguintes resoluções especiais em solidaridade com os povos da Palestina, Síria, Chipre e Coreia, traduzidas pelo Cebrapaz:

Resolução de solidariedade com a Palestina 

No Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, 29 de novembro, afirmamos que a chave para a paz e a estabilidade no Oriente Médio é o fim da ocupação israelense e a implementação do direito do povo palestino à autodeterminação e ao estabelecimento do Estado palestino independente, nas fronteiras de 4 de junho de 1967, com Jerusalém Oriental como capital, e a solução da questão dos refugiados de acordo com a Resolução 194 da ONU.

O Secretariado do CMP denuncia aos amantes da paz em todo o mundo os recentes e contínuos crimes do exército israelense na Faixa de Gaza palestina, atacando civis desarmados que protestam contra a ocupação israelense, com dezenas de mortos e centenas de feridos.

O Secretariado do Conselho Mundial da Paz condena a política dos Estados Unidos, liderada pelo Governo Trump, baseada em seu apoio absoluto às políticas de Israel de anexação e colonização, negando os direitos do povo palestino e desprezando completamente tratados e fundamentos internacionais de uma paz justa, assentada nas resoluções da ONU adotadas pela maioria dos países do mundo e a grande maioria dos seus povos.

Esta política estadunidense, que emerge entre o retumbante fracasso dos planos imperialistas na Síria e no Iêmen, visa dar a Israel um guarda-chuva internacional e compensação política pela retirada estratégica dos EUA da região.

Esta política está fadada ao fracasso devido à insistência do povo palestino em sua libertação da ocupação israelense, em alcançar sua independência nacional e exercer seus direitos históricos, apoiados pelas posições e as lutas das forças revolucionárias e progressistas amantes da paz, na região e em todo o mundo.

Apelamos pela promoção da solidariedade internacional com o povo palestino e de seus direitos inalienáveis por todos os meios legítimos, e por uma paz justa e abrangente na região, baseada no respeito pelo direito dos povos à liberdade e à independência.

Vienciane, 26 de novembro de 2019

Resolução de solidariedade com o povo da Síria

O Secretariado do CMP adotou, em sua reunião em Vienciane, Laos, a seguinte resolução em solidariedade com o povo da Síria, expressando se apoio aos esforços do povo sírio na defesa da sua soberania e integridade territorial contra as agressões imperialistas dos EUA, OTAN e União Europeia, com mercenários fundamentalistas que espalham a morte, o terror e a destruição há oito anos na Síria.

Apesar das significativas vitórias do povo sírio, seu exército e sua liderança, denunciamos a contínua ocupação de território sírio e, em particular, a recente invasão e ocupação de território soberano da Síria pela Turquia, na região nordeste.

Exigimos a retirada de todas as forças de ocupação da Síria, inclusive a ocupação israelense das Colinas de Golã sírias, e o fim das sanções impostas pelos EUA e a UE, para que o povo sírio possa decidir livremente sobre seu futuro e destino.

Vienciane, 26 de novembro de 2019

Resolução em solidariedade com o povo coreano

O Secretariado do CMP adotou uma resolução de solidariedade com o povo coreano, por seu desejo de reunificação pacífica e autônoma da Península Coreana. O Secretariado ressaltou a importância da continuidade do diálogo pacífico entre todas as partes envolvidas para realizar a paz e a estabilidade duradoura na Península Coreana por todos e completar a desnuclearização da península.

O CMP insta as autoridades estadunidenses e sul-coreanas a tomar posição e postura apropriadas sobre o Panmunjon, a Declaração Conjunta de Pyongyang e a Declaração Conjunta RPDC-EUA e continuar a trabalhar pela realização da paz e a estabilidade duradouras na Península Coreana.

O Secretariado saudou, embora de forma cautelosa, os recentes diálogos que visam alcançar um acordo de paz que substitua o armistício de 1953. Apoiamos o povo coreano em sua justa causa pela reunificação pacífica e autônoma da sua pátria. Os participantes da reunião afirmaram claramente sua demanda por um fim aos exercícios militares dos EUA e seus aliados em torno da península e pela retirada das tropas estadunidenses e seus armamentos de solo coreano.

Vienciane, 26 de novembro de 2019

Resolução sobre a questão do Chipre

A reunião do Secretariado do Conselho Mundial da Paz realizada em Vienciane em 25 e 26 de novembro de 2019 discutiu, entre outras questões cruciais que afetam e prejudicam a paz na Ásia e no Mundo, a situação no Chipre.

O Secretariado do CMP reconhece a região no leste do Mediterrâneo como uma das mais regiões mais cobiçadas pelos imperialistas, porque aqui, gás, petróleo e rotas de transporte e estações de transição coexistem. A Turquia considera o Chipre importante para seus interesses. A OTAN quer usar o Chipre em seus planos. Por isso, devemos ter isso em conta, especialmente agora.

Nós, as forças anti-imperialistas amantes da paz, condenamos a ocupação ilegal turca que já dura 45 anos sobre 37% do Chipre. Denunciamos a divisão do Chipre e afirmamos claramente que, para nós, a divisão permanente da ilha é uma catástrofe. Denunciamos as recentes atividades ilegais da Turquia na Zona Econômica Exclusiva cipriota e Famagusta, que criam fatos consumados e ameaçam com uma partilha permanente.

Não deixaremos de expressar, de todas as formas possíveis, nossa solidariedade com o Conselho da Paz do Chipre e a luta anti-imperialista do povo do Chipre, tanto grego-cipriotas quanto turco-cipriotas, contra a ocupação e por uma solução realmente justa e viável, que reunifique o país e o povo do Chipre e torne o povo do Chipre os únicos mestres da sua terra e suas riquezas.

Ressaltamos que a única forma de solucionar a questão do Chipre é através de um processo pacífico. As negociações bi-comunais entre cipriotas devem ser completamente respeitadas por todos e prosseguir sem quaisquer interferências e intervenções, com respeito total ao direito internacional e às resoluções da ONU sobre o Chipre.

O Secretariado do CMP é solidário ao povo do Chipre, que luta por um país e um povo reunido em uma Federação bi-comunal, bi-zonal, com uma única soberania, uma única cidadania e uma única representação internacional, com igualdade política. Apoiamos uma solução que possa ser alcançada para além de prazos asfixiantes e livre de guardiões ou garantidores, uma solução que libertará o Chipre de todos os exércitos e bases militares.

Apoiamos a luta do Conselho da Paz do Chipre pelo desmantelamento das bases britânicas no Chipre e contra o seu uso em operações militares contra os povos da região.

Paz duradoura com justiça para o Chipre!