Conselho Mundial da Paz divulga pontos do debate do Comitê Executivo reunido na Índia

O Comitê Executivo do Conselho Mundial da Paz reuniu-se em Goa, Índia, entre 26 e 28 de novembro. No dia seguinte, 29 de novembro, Dia Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino, realizou uma conferência especial sobre a causa palestina. Já em 30 de novembro, os membros reuniram-se em Mumbai com um presidente de honra do CMP, Romesh Chandra (cujo mandato transcorreu entre 1977 e 1990). A reunião e a conferência foram organizadas pela entidade indiana membro do Comitê Executivo, a Organização Toda-Índia para a Paz e a Solidariedade (AIPSO). Veja fotos a seguir e leia os principais tópicos apontados nas conclusões do Comitê Executivo do CMP em sua atual luta anti-imperialista e pela paz.

Leia também:
Socorro Gomes analisa a luta pela paz e o contexto internacional em reunião do CMP na Índia
Na Índia, Conselho Mundial da Paz reafirma solidariedade ao povo palestino
Conselho Mundial da Paz debaterá desafios na atual luta anti-imperialista em reunião na Índia

Aniversário de 65 anos do Conselho Mundial da Paz e o atual contexto da luta anti-imperialista

O CMP identifica o imperialismo como o inimigo da paz no mundo. “Apesar da crise econômica, o gasto militar de 2013 chegou a US$ 1,7 trilhão em todo o mundo, de acordo com o Instituto de Pesquisas sobre a Paz Internacional de Estocolmo (SIPRI), e 40% desta cifra é gasta pelos Estados Unidos.”

As mesmas forças que se beneficiam da crise estão lançando novas guerras contra outras nações soberanas. Os EUA e seus aliados da União Europeia usam a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) como sua máquina de guerra comum; usam pretextos antigos e novos com o fim de conseguir o controle dos recursos energéticos, dos mercados e de esferas de influência em diferentes partes do mundo. As guerras que vemos hoje são consequência desse tipo de políticas.

Ásia e Austrália

Os povos são testemunha do programa de ‘pivô da Ásia’, dos Estados Unidos, como parte dos seus planos de ‘contenção’ da China. Planejam enviar 60% das suas forças e equipamentos militares à região, com graves consequências para a estabilidade e a paz. Os EUA firmaram acordos bilaterais com vários países, abriram novas bases militares, estacionaram a Sétima Frota no Pacífico e estão planejando o envio de seu escudo antimísseis.

Os EUA estão interferindo nos conflitos existentes no Mar Oriental da China e no Mar do Sul da China. O CMP defende a resolução de todas as disputas com base na Convenção das Nações Unidas sobre a Lei dos Mares, de 1982, e faz um apelo a todas as partes, em especial às pessoas da região, para que se guiem pelos princípios de amizade entre os povos e contra qualquer interferência estrangeira.

O CMP denuncia a escalada de agressão contra o povo coreano com a recente resolução da ONU contra a República Democrática Popular da Coreia e expressa sua solidariedade com o povo coreano. Faz um apelo pela retirada das tropas estadunidenses da Coreia do Sul e o fim dos exercícios militares provocativos dos EUA com o Japão e a Coreia do Sul na região. O CMP observa com preocupação o alinhamento crescente da Índia com a política externa dos EUA na região, especialmente em temas como o Mar do Sul da China.

A situação continua tensa no Oriente Médio, com suas ricas reservas de petróleo, que ao mesmo tempo segue sendo o teatro de operações das forças imperialistas e seus aliados regionais. (…) As forças atuais do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) devem sua origem aos intentos por parte dos EUA para criar divisões intra-muçulmanas no Oriente Médio, para destruir a Síria e isolar o Irã e o Hezbollah no Líbano. Os EUA e seus aliados – Arábia Saudita, outras monarquias do Golfo e a Turquia – foram os principais defensores da tentativa de dividir as pessoas em linhas sectárias. (…) Até mesmo agora, os EUA e seus aliados negam-se a mudar sua política de mudança violenta de regimes na Síria e no Irã, apoiando grupos fundamentalistas contra o governo do presidente sírio Bashar Al-Assad e as políticas de sanções contra o Irã.

A questão palestina está sendo chamada, não sem razão, como o ‘tema central no Oriente Médio’. O lento genocídio em curso através da ocupação israelense da Palestina está criando novos sofrimentos para todo o povo palestino, em particular na Faixa de Gaza. De 1948 em diante, o povo palestino foi privado do direito a um Estado palestino soberano e viável. Eles foram oprimidos e castigados, assassinados e encarcerados. Se Israel não tivesse o pleno apoio dos Estados Unidos e da União Europeia, o Estado terrorista de Israel e seu Exército não seriam capazes de levar a cabo a ocupação da Palestina por tanto tempo.

Demandamos e apoiamos o estabelecimento do Estado da Palestina independente e seu reconhecimento pela ONU como Estado membro de pleno direito. O cerco genocida a Gaza tem que terminar imediatamente. (…) O CMP também exige a libertação de todos os prisioneiros palestinos dos cárceres israelenses e o direito ao retorno dos refugiados palestinos, com base na Resolução 194 da ONU. O CMP sublinha sua demanda de que se ponha fim à ocupação das colinas de Golã sírias e das Fazendas Shebaa libanesas por Israel.

Europa

Os povos da Europa enfrentam as consequências da crise econômica com as taxas de desemprego mais altas depois da Segunda Guerra Mundial, com os jovens como suas piores vítimas. Os governos da EU, junto com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional estão impondo novas políticas antipopulares, ataques aos serviços sociais e aos direitos, à educação e às liberdades democráticas.

A UE, uma União política e econômica, converteu-se também em uma atuação de ‘União Militar’ alinhada com a OTAN, sobretudo na Europa Oriental e Central. O CMP denuncia a intervenção imperialista na Ucrânia com o golpe de Estado, em fevereiro, e a instalação de um governo reacionário que inclui forças fascistas e neonazistas. Condenamos também os atentados criminosos contra populações civis nas cidades da Ucrânia oriental de Donetsk, Slavyansk e Lugansk e os ataques chauvinistas sobre as minorias linguísticas e étnicas na Ucrânia.

Denunciamos a violação aberta da soberania e a zona econômica exclusiva da República do Chipre por parte da Turquia. Expressamos nossa solidariedade com os cipriotas para pôr fim à ocupação na ilha e por uma solução que garanta a unidade da República do Chipre, a base de uma federação bicomunal e bizonal, livre de bases e tropas militares estrangeiras. O CMP rechaça os planos do governo do Chipre de afiliar-se à OTAN através do seu programa ‘Associação para a Paz’. Denunciamos os planos para o reconhecimento do protetorado da UE / OTAN em Kosovo-Metohija, que é resultado do bombardeio criminoso da OTAN há 15 anos.

América Latina

As lutas dos povos da América Latina são contínuas em muitas frentes. A Revolução Cubana, em seu 56º aniversário, continua sendo uma fonte de inspiração para os povos da região e do mundo. O CMP denuncia o bloqueio desumano norte-americano contra a Cuba socialista e exige a libertação e retorno dos três restantes patriotas cubanos a suas casas. O CMP continuará em sua luta e iniciativas para o encerramento e retirada da base estadunidense em Guantânamo, que continua servindo como um campo de concentração.

Expressamos nossa solidariedade com os povos e as forças anti-imperialistas nos países da América Latina, que defendem sua soberania e seu direito a decidir seu próprio caminho de desenvolvimento. Condenamos as ações subversivas da administração dos Estados Unidos e outras forças imperialistas contra a República Bolivariana da Venezuela, Bolívia, Equador, Honduras e outros, enquanto exigimos firmemente o fechamento e a eliminação de todas as bases militares estrangeiras do continente americano, que constituem, junto à Quarta Frota Naval dos Estados Unidos, uma ameaça cotidiana à paz e à estabilidade. 

O CMP saúda a declaração da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) por uma região de paz, livre de bases e frotas militares estrangeiras, e faz um apelo aos povos da região para o reforço das suas ações e lutas anti-imperialistas. Expressamos nossa solidariedade com o povo da Argentina em sua demanda pela retirada das tropas britânicas das Ilhas Malvinas no Oceano Pacífico. Um motivo de preocupação segue sendo também a presença de tropas estrangeiras no Haiti.

O CMP está seguindo as negociações de paz que têm lugar em Havana entre o governo colombiano e a insurgência, e expressa sua solidariedade com o povo colombiano, em seu desejo de alcançar uma paz duradoura.

África

A exploração brutal por parte das empresas multinacionais continua com o pleno apoio militar dos EUA e a União Europeia. O novo AFRICOM e as novas bases estadunidenses na África (por exemplo, no Chade), as intervenções militares da França na África francófona, formam parte das intervenções diretas do imperialismo no continente. O imperialismo também está fomentado divisões e guerras de poder para facilitar o saque dos recursos minerais da África.

As intervenções dos Estados Unidos na Somália e na Líbia provocaram o colapso desses Estados, dando lugar às insurgências locais que se estendem aos países vizinhos. A França interveio em várias ocasiões – diretamente ou de forma encoberta – em suas antigas colônias, como a intervenção na República Centro-Africana, Burkina Faso, Mali, Costa do Marfim, Chade, entre outras. Em Burkina Faso, também ajudou a derrubar o governo progressista de Thomas Sankara em 1987 e instalar o fantoche francês Blaise Campaore. O CMP saúda o povo de Burkina Faso que derrubou recentemente o regime brutal de Campaore e faz um apelo pela união popular contra as tentativas do governo francês de instalar outro governo fantoche.

A África Ocidental, principalmente a Libéria, Guiné e Serra Leoa, enfrentam o enorme desafio da epidemia de Ebola, na qual milhares de pessoas já morreram. Ebola não é uma enfermidade difícil de controlar se o sistema de saúde pública funcionar. É a guerra de recursos imposta pelo capital global – dois dos três países afetados tiveram guerras civis até pouco tempo atrás – e as forças econômicas neoliberais que desmantelam o sistema público de saúde nestes três países o que impede a contenção da epidemia de Ebola. (…)

O CMP reitera sua solidariedade ao povo do Saara Ocidental. Condenamos a ocupação do Saara Ocidental pelo Reino do Marrocos e sublinhamos nossa solidariedade com a justa luta do povo saaraui, por seu direito inalienável à autodeterminação, de acordo com as resoluções da ONU que determina a realização de um referendo livre e democrático.

APELO DO CMP

À luta pela abolição das armas nucleares, que lançamos em 1950 através do Apelo de Estocolmo, assinado por centenas de milhões de pessoas, ainda contínua. Como parte desta luta, o CMP observará os 70 anos dos bombardeios brutais de Hiroshima e Nagasaki, no próximo ano.

O CMP expressa também sua solidariedade com o povo vietnamita pelas consequências terríveis do tóxico “Agente Laranja” usado pelos Estados Unidos em sua guerra suja contra o Vietnã. Dedicaremos o 40º aniversário da libertação de Saigon (Ho Chi Minh), que marcou o fim da guerra, às vítimas do Agente Laranja.

No 70º aniversário da vitória dos povos contra o fascismo, em 2015, o CMP tomará iniciativas para colocar em relevo as lições e conclusões da gloriosa luta dos povos contra o fascismo, as causas das quais derivou, e as heroicas batalhas e sacrifícios dos povos da URSS, que teve mais de 20 milhões de vítimas fatais.


cmp goa 7

Abertura da reunião do Comitê Executivo do CMP em Goa, Índia
(No centro, a presidenta do CMP e do Cebrapaz, Socorro Gomes, e o ex-vice-ministro indiano de
Relações Exteriores, 
presidente da AIPSO-Goa, Shri Eduardo Faleiro)

cmp goa 1


cmp goa ilda

À esquerda, Ilda Figueiredo, presidente do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC)
coordenadora regional do CMP no Continente Europeu 
 

cmp goa 2

Da dir. à esq.: Socorro Gomes (Brasil-CMP), Jamil Safeh (Líbano) e Akel M. Taqz (Palestina)

cmp goa 4 

Socorro Gomes fala no Seminário Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino (29/11) 

cmp goa 3

Seminário Internacional de Solidariedade ao Povo Palestino (aberto ao público)

cmp mumbai romesh chandra

Membros do Comitê Executivo visitam o presidente de honra do CMP Romesh Chandra,
Mumbai (30/11/2014)

socorro romesh chandra

Socorro Gomes e o presidente de honra do CMP, o indiano Romesh Chandra (1977-1990)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s