Victor Jara: O direito a viver em paz

O antigo militar chileno Pedro Barrientos foi condenado, no dia 27 de Junho, por um tribunal na Flórida (Estados Unidos da América), por tortura e homicídio do cantor Víctor Jara, em Setembro de 1973. Jara foi preso após o golpe conduzido pelo general Pinochet, em 1973, que derrubou o presidente Salvador Allende, eleito em 1970 com o apoio da Unidad Popular (UP).

Mural dedicado a Victor Jara em Santiago, Chile

O golpe fascista, suportado pela CIA e precedido de um bloqueio económico, levou à instauração de um regime militar liderado por Pinochet, que durou 17 anos. Allende, o presidente eleito, morreu durante o ataque ao Palácio La Moneda, sua residência oficial em Santiago, em 11 de Setembro de 1973.

Na preparação do golpe, o poder económico promoveu uma campanha mediática contra o governo da UP, em conjunto com a paralisação da rede de transportes e a fuga de capitais.

Víctor Jara, cantor, autor e dramaturgo, era um dos apoios mais destacados de Allende e do seu governo, suportado por socialistas, comunistas e outros sectores populares. Aos 40 anos, Jara foi preso no Estádio Chile (hoje Víctor Jara), torturado e morto. A 16 de Setembro, o seu corpo foi encontrado junto ao recinto desportivo cravejado de balas.

“Livra-nos de aquele que nos domina na miséria, traz-nos o teu reino de justiça e igualdade”

Levanta-te e olha as tuas mãos
Para crescer, estende-as aos teus irmãos
Juntos iremos unidos pelo sangue
Agora e na hora da nossa morte
Ámen – VICTOR JARA, “PLEGARIA A UN LABRADOR”

A obra de Víctor Jara é dominada pela relação com o seu Chile, particularmente com a realidade dos camponeses explorados. Os seus pais eram inquilinos na propriedade de uma poderosa família latifundiária; a sua mãe era descendente de índios Mapuche. Numa entrevista concedida em Moscovo, Jara conta que a música entrou na sua vida através das canções que surgiam no trabalho do campo e, particularmente, da sua mãe, que “tocava muito bem guitarra e cantava maravilhosamente.”

Em Plegaria a un labrador, transforma os versos católicos do Pai Nosso numa canção libertadora, de unidade camponesa na luta contra a exploração a que eram sujeitos. Durante o governo de Salvador Allende a reforma agrágria chilena teve um aceleramento profundo e alcançou mais de seis milhões de hectares.

“Lembro-me de ti, Amanda, correndo para a fábrica onde trabalhava Manuel”

Em Te Recuerdo Amanda, o cantor chileno canta uma história de amor entre dois jovens operários. Dando-lhes o nome dos seus pais, Amanda e Manuel, Jara faz da canção um retrato da aliança social entre camponeses e operários chilenos que permitiu eleger um presidente com uma agenda progressista e transformadora num continente dominado por ditaduras militares.

Mas os versos retratam, também, a dureza do trabalho. Os operários vão trabalhar para a serra e, quando a sirene toca, muitos não voltam, «”ampouco Manuel”.

Os problemas das mulheres estão presentes na obra de Jara; numa entrevista em Cuba afirma: “A mulher não é uma escrava: é igual ao homem e tem os mesmos direitos. Pedir à mulher pureza e dedicação ao lar, e ao homem não, é ser escravagista.”

“Nenhum canhão destruirá o sulco do teu arrozal”

Com a guerra do Vietname contestada dentro e fora dos Estados Unidos da América, Víctor Jara escreve em 1971 um álbum intitulado El derecho de vivir en paz. A canção homónima que abre o disco é toda ela dedicada ao povo vietnemita, que, à época, sofria com a ocupação parcial norte-americana, numa luta pela independência, já depois de derrotado o colonialismo francês.

Víctor Jara foi nomeado embaixador cultural do Chile por Salvador Allende, e viaja pela América Latina e pela Europa, onde participa num acto mundial contra a guerra no Vietname, em Helsínquia.

O governo chileno, dirigido por Allende, adoptou uma política internacional de respeito pela autodeterminação dos povos. O Chile integrou o movimento dos países não-alinhados, fomentou um clima de paz e cooperação na América Latina e a resolução pacífica dos conflitos.

Em Dezembro de 1972, a menos de um ano do golpe, Salvador Allende discursa na Assembleia Geral das Nações Unidas, onde denuncia as pressões externas, o bloqueio económico-financeiro e a manipulação da opinião pública chilena conduzidos pelos EUA.

“Somos cinco mil”

Víctor Jara morreu após tortura no Estádio Chile, em Santiago, dias depois do golpe de 11 de Setembro de 1973. Os poucos companheiros que com ele partilharam o complexo desportivo, transformado em campo de concentração, e sobreviveram contam que até ao fim cantou, tocou guitarra e escreveu. Mesmo com as mãos fracturadas pelos militares, Jara ainda cantou o hino da Unidad Popular, contam testemunhas.

Pouco antes de morrer, escreveu um último poema, em que denuncia o terror dos golpistas, que fica conhecido como Estadio Chile.

Víctor Jara está sepultado no Cemitério Geral de Santiago, para onde foram trasladados os seus restos mortais em 2009, numa cerimónia que contou com mais de 12 mil pessoas. O Estádio Chile, transformado em campo de concentração em 1973 e local da sua morte, foi renomeado Estádio Víctor Jara em 2003.

Somos cinco mil 
nesta pequena parte da cidade. 
Somos cinco mil.
Quantos seremos no total, 
nas cidades e em todo o país? 
Somente aqui, dez mil mãos que semeiam 
e fazem andar as fábricas.

Quanta humanidade 
com fome, frio, pânico, dor, 
pressão moral, terror e loucura!

Seis de nós se perderam 
no espaço das estrelas.

Um morto, um espancado como jamais imaginei 
que se pudesse espancar um ser humano.

ÚLTIMO POEMA DE VÍCTOR JARA

Fonte: AbrilAbril

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s