Conselho Mundial da Paz insta à mobilização contra agressões dos EUA e a guerra no Oriente Médio

Um dia antes de o presidente Donald Trump anunciar sua decisão unilateral de retirar os EUA do acordo nuclear com o Irã, nesta terça-feira (8), re-instituindo assim as sanções contra o país persa, o Conselho Mundial da Paz (CMP) alertava para o risco crescente da escalada imperialista no Oriente Médio. Denunciado a agressão contra a Síria e as próprias ameaças contra o Irã, o CMP insta à mobilização urgente. Leia a nota a seguir, traduzida pelo Cebrapaz.

Resultado de imagem para trump  iran

A marcha a uma militarização crescente e uma guerra imperialista generalizada no Oriente Médio deve ser detida

O CMP condena o recente e provocativo ataque a míssil conta a Síria!

O ataque a míssil confirmado na noite de domingo, 29 de abril, contra várias bases aéreas sírias elevou enormemente a tensão no Oriente Médio. De acordo com Tishreen, jornal sírio, citando fontes que afirmaram: “O recente ataque contra os quartéis nas províncias de Aleppo e Hama foi iniciado desde bases britânicas e americanas no norte da Jordânia e nove mísseis balísticos foram disparados no ataque.”

Embora nenhum país tenha formalmente assumido responsabilidade por este ato de agressão, tudo indica que as forças israelenses estiveram por trás dele. Apenas horas antes do ataque, Mike Pompeo, o novo Secretário de Estado dos EUA, visitava Israel antes de partir para a Arábia Saudita, outro país beligerante e defensor do “Plano para o Novo Oriente Médio”, sendo a guerra de agressão contra o Irã um meio para mudar o equilíbrio de forças na região.

O governo Trump está considerando – com base em seus acordos com Israel e Arábia Saudita – anunciar sua retirada do JCPOA [Joint Comprehensive Plan of Action, Plano Conjunto de Ação Abrangente] (Acordo Nuclear com o Irã), ou ao menos forçar uma renegociação com termos adicionais que seriam custosos ao lado iraniano.

Israel e o governo estadunidense estão inventando novos pretextos sobre as atividades nucleares do Irã, em prol do objetivo mencionado acima, ignorando a declaração da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) emitida na terça-feira, 1º de maio, de que não tem evidências da tentativa do Irã de ter armas nucleares.

O CMP acredita que a menos que os planos dos EUA e seus aliados no Oriente Médio sejam detidos em seu rumo, a Região do Golfo Pérsico e todo o Oriente Médio estarão em risco de serem mergulhados na guerra e na destruição. O CMP acredita que, nestas condições críticas, é seu dever instar as forças da paz internacionalmente a estarem vigilantes e a mobilizarem a opinião pública globalmente contra essa aventura militar, dirigida de quaisquer partes, defendendo a paz no Oriente Médio. A escalada da agressividade do imperialismo estadunidense e de seus aliados levarão ao desastre para os povos do Oriente Médio e mergulharia toda a região em uma guerra generalizada e na destruição. Acreditamos que todos os problemas e disputas no Oriente Médio devem ser resolvidos através do diálogo e das negociações, no contexto dos princípios da Carta Fundadora da ONU e contra a ingerência imperialista.

O CMP insta a todas as forças amantes da paz em todo o planeta a priorizar uma campanha contra os planos imperialistas no Oriente Médio, impedindo um conflito regional de dimensão global.

O CMP acredita que a luta do povo iraniano e de todos os povos na região pela paz com justiça social e pelos direitos populares e democráticos será prejudicada se não formos capazes de barrar as políticas destrutivas do governo estadunidense e seus aliados (por exemplo, a OTAN, a UE, Israel e Arábia Saudita). Convocamos os membros e amigos do Conselho Mundial da Paz e todas as organizações de paz consequentes e genuínas em todo o mundo a, de forma eficaz, mobilizar a opinião pública contra o começo de uma nova guerra imperialista no Oriente Médio. Nossa ação urgente é vital! Amanhã pode ser tarde demais! Agir, JÁ!

Conselho Mundial da Paz

7 de maio de 2018