Pelo fim da ocupação israelense, todo o apoio à luta do povo palestino!

[English] O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (CEBRAPAZ) expressa sua profunda revolta contra mais um episódio do massacre do povo palestino e seu irredutível apoio à luta por uma paz justa, pela Palestina livre e soberana. Expressamos ainda pesar e indignação pelos mais de três mil feridos e pela morte de mais de 110 pessoas – metade delas apenas nesta segunda-feira (14), quando os EUA inauguraram sua Embaixada em Jerusalém, reconhecendo assim a cidade, unilateral e ilegitimamente, como a capital de Israel.

Condenando a perpetuação de uma ocupação militar e da colonização da Palestina por Israel — país apoiado incondicionalmente por seu aliado maior, os Estados Unidos — o CEBRAPAZ reforça seu compromisso com a defesa do direito do povo palestino a resistir à brutalidade que vemos repetida há mais de um mês, quando palestinos e palestinas lançaram-se em um valente protesto, a Grande Marcha de Retorno, que reivindica o direito dos refugiados a retornar e o fim da ocupação.

Neste 15 de maio, somamo-nos ao bravo povo palestino para denunciar a nakba, a catástrofe contínua que assola a Palestina desde que o colonialismo, a limpeza étnica e o genocídio instalaram-se na região como política de Estado de Israel. Defendemos hoje a memória dos mais de 15 mil homens, mulheres e crianças mortos e 750 mil expulsos e das cerca de 500 vilas destruídas no processo que culminou em 1948, contra um projeto colonial expansionista que pretende decretar o espólio final, enterrando de vez a possibilidade de consolidação de um Estado da Palestina livre e soberano, através do despojo e da colonização do território ocupado militarmente há cinco décadas.

Denunciamos ainda o regime de apartheid que evidencia cabalmente a política racista construída desde a instituição do Estado de Israel, há 70 anos, através de leis e práticas elaboradas para tornar insustentável a permanência do povo palestino em sua terra, para conceder privilégios a uma porção da população em detrimento dos direitos de outra — que tem decretada a sua categoria de cidadãos de segunda classe em Israel — e para impor um regime militar de exceção na Palestina ocupada, para impedir definitivamente o retorno dos refugiados ou para manter no limbo os milhares de residentes palestinos de Jerusalém Leste que não têm direitos civis garantidos.

Exigimos o fim da ocupação da Palestina por Israel já! Condenamos a retórica vazia e cínica dos que apelam a um processo de paz que se prolonga há quase três décadas, enquanto a colonização da Palestina por Israel impõe-se como fato consumado!

Reforçamos o apelo com princípios já plasmados em incontáveis resoluções da ONU desde que denominou a “Questão da Palestina”, há sete décadas:

Pela Palestina livre e soberana nas fronteiras anteriores a 1967, com Jerusalém Leste como sua capital; pelo direito dos refugiados a retornar; pela libertação dos mais de seis mil prisioneiros políticos palestinos; pelo fim da impunidade da liderança israelense e pelo fortalecimento urgente da solidariedade mundial ao heroico povo palestino!

Fim à ocupação e ao apartheid israelense! Viva a Palestina livre!

Direção Nacional | CEBRAPAZ
15 de maio de 2018